(Crédito de imagem: Microsoft)

Sempre que há uma nova geração de consoles, sempre existem algumas chavões que parecem definir as conversas sobre a nova tecnologia. Para o Xbox One e PS4, surgiram os cantos de 4K e 60fps, e agora, quando olhamos para o PS5 e o Xbox Series X, há frases muito mais complicadas sendo usadas como as próximas grandes inovações em tecnologia de jogos, como ray tracing e haptic comentários.

Considerando que o traçado de raios visa aumentar a fidelidade visual e Veja dos nossos jogos, aumentando o realismo de texturas, sombras e reflexões em particular, o feedback tátil é sobre adicionar realismo à maneira como os jogos sentir. Não, não emocionalmente, mas obtendo feedback físico do seu controlador – ou de outros periféricos – de uma maneira mais sutil e realista do que o seu pacote tradicional de vibração ou vibração.

Buzzwords da próxima geração

(Crédito da imagem: Nvidia)

O que é o Ray Tracing?

O que é feedback háptico?

Qualquer jogador – ou qualquer pessoa com um telefone celular – é bem versado na arte do feedback de vibração. Esteja você recebendo uma mensagem de texto ou telefonema, experimentando o estrondo da metralhadora disparando em um FPS ou colidindo com outro veículo em um jogo de corrida, esse sentimento de vibração e sua intensidade são muito familiares hoje em dia. Mas o problema com os pacotes de sons tradicionais é que a vibração é tudo em um nível, com pouca variação em sua intensidade, independentemente de sua causa..

É aí que entra o feedback tátil. O feedback tátil é melhor para simular como seria tocar ou interagir com algo na vida real, permitindo vibrações de precisão que ajudam a representar melhor o que está acontecendo no jogo. Em vez das vibrações explosivas dos controladores atuais, o feedback háptico permite que haja muito mais sutileza, variando do delicado respingo das gotas de chuva a algo mais severo como uma explosão.

(Crédito da imagem: Futuro)

Embora não possamos ver imediatamente os frutos de alguns dos aprimoramentos visuais que vêm com o PS5 e o Xbox Series X – como o 8K, por exemplo – os benefícios da tecnologia háptica serão imediatos. Ele visa aumentar sua imersão, permitindo que você se sinta mais conectado fisicamente ao que está fazendo enquanto toca.

Jeevan Aurol, da Razer, que trabalhou com a tecnologia haptics Hypersense da empresa, explica que os benefícios dos haptics são facilmente palpáveis ​​para um jogador, especialmente porque é “muito mais direto que visual ou som. A tecnologia visual e sonora pode ser muito subjetiva, dependendo de como você está em sintonia com as diferenças sutis. Mas quando se trata de háptica, você sente isso. “

Leia também  Qual é a melhor aula de Bloodborne para você?

“Sentir tiros vindo de você da esquerda ou da direita; sentir explosões vindo de você nessas direções – é algo que pode ser adicionado à experiência com muita facilidade sem muita educação, pelo menos da perspectiva do consumidor.

Você provavelmente já teve um feedback tátil

Apesar de parecer uma palavra de ordem no momento, o feedback tátil não é realmente uma nova tecnologia, e sem dúvida você pode ter ouvido falar sobre isso ou experimentado em outro lugar. Desde que a Apple lançou sua própria tecnologia Taptics em 2015, pudemos experimentar sensações táteis para jogos, notificações e muito mais através de iPhones e Apple Watches.

Mas a tecnologia já se estende também aos consoles de jogos. O Nintendo Switch, por exemplo, já usa feedback háptico em seu par de controladores Joy-Con. Se você ainda não o fez, experimente o 1-2 Switch, uma coleção de minijogos que não é apenas divertido, mas faz um trabalho incrível de mostrar a nuance dos recursos de vibração do feedback háptico – particularmente no jogo de quebra de segurança onde você pode sentir os entalhes no mostrador ao girá-lo e o jogo de contagem de bolas que pede que você adivinhe quantas bolas de metal você pode sentir rolando dentro do seu controlador.

A Nintendo nunca chama de feedback háptico da tecnologia, mas usa sua própria terminologia chamada Rumble HD. “O Joy-Con pode transmitir a você a sensação de cubos de gelo colidindo em um copo”, explicou Yoshiaki Koizumi, produtor geral de desenvolvimento da Nintendo, durante a revelação completa do Switch em janeiro de 2017. “Você pode até dizer o número de cubos de gelo em e você pode sentir a água enchendo o copo. Esse novo senso de realismo é produzido pela precisão do novo HD Rumble “.

No entanto, não é apenas a Nintendo que já está experimentando feedback tátil. A Microsoft realmente introduziu a tecnologia em seus controladores com o lançamento original do Xbox One. O controle do Xbox One chegou com o que a Microsoft chama de gatilhos de impulso, que incluiu a adição de quatro motores de vibração ao bloco. Há um atrás de cada gatilho e um em cada punho, que quando combinados criam uma melhor sensação de direcionalidade e profundidade no jogo, especialmente quando se trata de tiros, acidentes de carro e explosões.

Leia também  A melhor armadura de Valheim e como fabricá-la

Na época, a Microsoft destacou seus benefícios ao jogar um jogo como o Forza Motorsport 5. Ele explicou como o desenvolvedor Turn 10 Studios pode usar os gatilhos de impulso “para fornecer aos jogadores um feedback preciso que aprimora a experiência de corrida. aceleração ou se você pisar no acelerador, os gatilhos emitem vibrações muito distintas. Isso é combinado com o ruído do chassi que transmite impactos, o rugido do motor e a movimentação sobre irregularidades da superfície, como paralelepípedos. “

A Razer, por outro lado, não está no negócio de fabricar hardware de console, mas já está experimentando como a tecnologia háptica pode ser usada em outros periféricos – como fones de ouvido. No ano passado, a Razer estreou o headset Razer Nari Ultimate, que usa a tecnologia de feedback tátil da empresa, conhecida como Hypersense, para fornecer feedback de vibração através dos fones de ouvido do headset. Isso permite que o fone de ouvido ofereça não apenas efeitos de vibração sutis que você possa sentir em seu rosto, mas também permite feedback posicional.

(Crédito de imagem: Razer)

“Existe um driver [háptico] em cada protetor auricular. O que isso significa é que você obtém um posicionamento estéreo no que diz respeito ao háptico”, explica Jeevan Aurol, da Razer, em entrevista ao GameMe. “Tradicionalmente, nos pacotes de jogos para console, por exemplo, se houver uma explosão, o controlador vibrará. Mas com o Nari Ultimate, se a explosão vier da direita, o protetor auricular direito vibrará.”

O Hypersense da Razer também usa drivers projetados para produzir uma frequência de vibrações mais alta, o que significa que os jogadores podem ser alertados para sons mais sutis, como passos ou algo mais distante de você.

“Se a explosão ou o tiroteio estiverem acontecendo perto de você, o háptico vai roncar muito mais poderosamente”, acrescenta Jeevan. “Mas se estiver mais longe de você, você obtém o mesmo efeito, mas de uma maneira mais delicada, apenas para ajudar a destacar a distância e ajudar na imersão – e, até certo ponto, até na percepção posicional com o fone de ouvido”.

Como o feedback tátil do PS5 funcionará

(Crédito da imagem: Sony)

Agora, a Sony também está entrando no território da tecnologia de feedback háptico com seu próximo console, o PS5. De acordo com uma recente entrevista à Wired, o controle do PS5 (provavelmente chamado DualShock 5) apresentará “gatilhos adaptáveis”, que oferecerão níveis variados de resistência, o que ajudará a simular efeitos no jogo, como desenhar um arco ou fazer uma espingarda o fogo parece diferente de uma metralhadora, por exemplo. Isso parece muito com o que a Microsoft já fez com os gatilhos de impulso do controle do Xbox One.

Leia também  Por que você nunca deve jogar no wifi se pode evitá-lo, como explicado por um desenvolvedor de jogos de luta

A Sony também está equipando as garras com opções de feedback háptico semelhantes por meio de “atuadores de bobina de voz altamente programáveis ​​localizados nas garras esquerda e direita do controlador”.

De acordo com Peter Rubin da Wired, quando “combinado com um alto-falante aprimorado no controle, os haptics podem proporcionar alguns efeitos surpreendentes. Primeiro, reproduzo uma série de demos curtos, cortesia da mesma equipe do Japan Studio que projetou o Astro Bot Rescue da PlayStation VR Missão: Na mais impressionante, eu passei um personagem através de um nível de plataforma, apresentando várias superfícies diferentes, as quais deram experiências táteis distintas – e surpreendentemente imersivas – .A areia parecia lenta e árdua; a lama parecia lenta e úmida. uma resposta de alta frequência fez os polegares realmente parecerem que meu personagem estava deslizando. Ao pular em uma piscina, senti a resistência da água; em uma ponte de madeira, uma sensação saltitante “.

Certamente parece que o console PS5 oferecerá um feedback tátil ainda mais refinado do que o que vimos antes, e espero que seja adotado por mais desenvolvedores do que aqueles que utilizam a iteração do Switch.

Curiosamente, o artigo da Wired menciona que, de acordo com o gerente de produto Toshi Aoki, a equipe trabalha com feedback háptico desde o desenvolvimento do DualShock 4, e estava realmente pronto para ser lançado com o PS4 Pro. No entanto, a Sony acreditava que “isso criaria uma” experiência dividida “para os jogadores, de modo que o conjunto de recursos foi realizado para a próxima geração”.

O que os haptics podem significar para jogos de última geração?

Independentemente da linha de tecnologia que olhamos para a próxima geração, é claro que o foco está em aumentar nossa imersão na jogabilidade: como garantir que você gaste o mínimo de tempo possível olhando para as telas de carregamento; simplificando a maneira como baixamos jogos e atualizações; adicionando mais realismo a texturas, sombras e iluminação; para introduzir ou melhorar tecnologias como feedback háptico.

Por mais que a próxima geração seja sobre elementos visuais, já parece que haverá um esforço para nos tornar fisicamente mais conectados ao que estamos tocando. No entanto, é apenas parte da oferta de nova geração, então será interessante ver que papel os haptics desempenham no futuro.