Os 32 melhores momentos de Meryl Streep no cinema

Com mais de 20 nomeações para os Óscares, Meryl Streep é sinónimo de sucesso em Hollywood. O que significa que é muito difícil escolher apenas alguns dos seus melhores momentos no cinema.

Desde o seu papel de destaque no drama de 1978, O Caçador de Veados, a estrela de cinema condecorada tem sido uma das artistas mais amadas de Hollywood de todos os tempos. Reconhecida pelas suas capacidades camaleónicas, Streep já viveu praticamente uma centena de vidas no ecrã prateado; interpretou mulheres fatais, mães amorosas, líderes sindicais, políticos implacáveis, chefes de cozinha famosos, editores de revistas monstruosos, freiras católicas rigorosas e tudo o que existe pelo meio.

Nascida e criada em Nova Jersey, Streep cresceu numa escola católica e era, como escreveu a autora Karina Longworth numa biografia de 2013, uma “criança desajeitada com óculos e cabelo frisado”. Embora tenha participado em muitas peças escolares, a futura estrela só começou a levar a sério a representação quando frequentou o Vassar College, onde a sua aclamada atuação numa produção de Miss Julie gerou grande agitação no campus. O professor de teatro de Vassar, Clint J. Atkinson, comentou mais tarde sobre Streep: “Acho que nunca ninguém ensinou Meryl a representar. Ela ensinou-se a si própria.”

Parafraseando a sua Miranda Priestly em O Diabo Veste Prada: não há ninguém que consiga fazer o que ela faz. Para provar isso, aqui estão 32 dos melhores momentos de Meryl Streep em filmes de todos os tempos.

32. “Estou tão feliz por ele ter saído da minha vida” (Still of the Night)

Meryl Streep olha para a personagem principal em Still of the Night

(Crédito da imagem: MGM)

Depois de alcançar o estrelato com filmes como The Deer Hunter e Kramer vs. Kramer, Meryl Streep co-estrelou o thriller noir de 1982 Still of the Night, uma homenagem suada aos filmes de Alfred Hitchcock. Still of the Night recebeu críticas mornas aquando do seu lançamento e, anos mais tarde, em 2013, a própria Streep classificou-o como “um mau filme” no programa Watch What Happens Live with Andy Cohen. Ainda assim, num momento crucial do filme, a personagem de Streep confessa sentir-se aliviada depois de saber que o homem com quem tinha um caso morreu. Entre o seu corte de cabelo ao estilo de Eva Marie Saint e a sua elegância, Streep brilha com o mesmo tipo de glamour e desprendimento conhecido de todas as femme fatales de Hitchock.

31 – A Coragem da Convicção (Julie & Julia)

Julia Child vira uma omeleta na televisão em Julie & Julia

(Crédito da imagem: Sony Pictures Releasing)

Meryl Streep recebeu uma das suas muitas nomeações para o Óscar por interpretar a pioneira chef de televisão Julia Child, na reconfortante comédia Julie & Julia, de Nora Ephron, em 2009. Baseado num blogue popular da escritora nova-iorquina Julie Powell, o filme divide-se entre a Julie dos dias de hoje (Amy Adams) e a ascensão de Julia Child à fama em meados do século XX. Num dos poucos momentos do filme em que Julia Child e Julie Powell estão na mesma cena (através da TV de Julie), Julia tenta virar uma omeleta – dizendo mesmo aos seus espectadores para terem a “coragem das convicções” para o fazer – apenas para a própria Julia fazer asneira. Ouça o “Oh!” agudo de Streep, que realmente vende a piada.

30 – Recordando a primeira vez (Hope Springs)

Meryl Streep num jantar à luz das velas no filme Hope Springs

(Crédito da imagem: Sony Pictures Releasing)

Na adorável comédia romântica de 2012, Hope Springs, Meryl Streep e Tommy Lee Jones contracenam com um casal idoso que tenta reacender a chama após décadas de casamento complacente. No enredo, os dois passam por uma semana de aconselhamento matrimonial numa bela cidade costeira do Maine. Após a primeira sessão, Arnold, personagem de Jones, organiza um jantar romântico numa luxuosa estalagem. Enquanto se instala à mesa, a Kay de Streep recorda a primeira vez que Arnold lhe disse: “Amo-te”. Nesta altura do filme, ainda há um longo caminho a percorrer até que estes dois maridos e mulheres à deriva se voltem a encontrar. Mas este jantar acolhedor, animado pela nostalgia melancólica de Streep e pela esperança no seu futuro, vale a pena manter-se por perto.

29. “Ela quase me comeu ao almoço!” (Out of Africa)

Meryl Streep usa roupa de safari africana no filme Out of Africa

(Crédito da imagem: Universal)

No drama romântico de 1985 de Sydney Pollack, Out of Africa, Meryl Streep ganhou outra nomeação para o Óscar no papel de Karen Blixen, uma baronesa dinamarquesa na África Oriental Britânica que se apaixona por um belo caçador de caça grossa (interpretado por Robert Redford). No início do filme, uma leoa encurrala a desarmada Karen, mas o personagem de Redford, Denys, chega mesmo a tempo. Em vez de estar agradecida, Karen está divertidamente em pânico e diz a Denys: “Ela quase me comeu ao almoço!” Denys lembra-lhe: “A culpa não é dela. Ela é um leão”.

28. Karen dispara o seu tiro (Out of Africa)

Robert Redford limpa a boca de Meryl Streep numa savana africana em Out of Africa

(Crédito da imagem: Universal)

Em Out of Africa, Denys, o homem do ar livre de Robert Redford, começa a apaixonar-se por Karen Blixen, de Meryl Streep, durante uma caçada que quase corre mal tão depressa. Quando os dois se deparam com leões esfomeados, Karen comete o erro de virar as costas (algo que os caçadores experientes avisam para nunca fazer). O realizador Sydney Pollack capta numa sequência em câmara lenta a ferocidade da morte que se aproxima, apenas para ser evitada pela súbita coragem de Karen em apontar e disparar com precisão. Depois de os seus tiros ecoarem, Denys começa a ver algo de novo em Karen, tal como nós, o público, neste arrebatador romance de época.

27 – A Sabedoria da Tia March (Mulherzinhas)

Meryl Streep, sentada numa sala de estar luxuosa, vestindo a roupa de época da Tia March em Little Women

(Crédito da imagem: Sony Pictures Releasing)

Na célebre versão cinematográfica de 2019 de Little Women, de Greta Gerwig, Meryl Streep interpreta a severa mas calorosa Tia March. Numa das cenas mais memoráveis do filme, a tia March impõe fortemente o conceito de casamento à ferozmente independente Jo (Saorise Ronan). É importante notar que a tia March insiste que Jo se case não pelo casamento, mas para que Jo “possa viver uma vida melhor” do que a da sua “pobre mãe”. Apesar de Little Women não ser um grande veículo para Streep, a atriz consegue roubar o precioso tempo de ecrã que tem ao ser hilariante, desagradável, maternal e sábia. Não pode deixar de a amar, mesmo quando Jo lhe quer atirar um livro à cara.

26. Rachel’s Cold Feet (Azia)

Meryl Streep senta-se no seu segundo vestido de noiva no seu quarto no filme Heartburn

(Crédito da imagem: Paramount)

Em Heartburn, escrito por Nora Ephron e baseado no seu próprio romance semi-biográfico, Meryl Streep interpreta uma versão ficcionada de Ephron – sob o nome de “Rachel Samstat”, uma crítica gastronómica divorciada – que conhece Mark Forman (Jack Nicholson), um encantador colunista político de Washington D.C., no casamento de uma amiga. Muito mais tarde, na sua própria cerimónia, as ansiedades de Rachel sobre a permanência do casamento levam a melhor e ela, de forma hilariante, atrasa toda a cerimónia fechando-se no seu quarto. Ironicamente, imediatamente antes desta cena, Streep e Nicholson estão deitados na cama a expressar o quanto não são adequados para o casamento. Se ao menos se ouvissem um ao outro, seriam poupados de tudo o que acontece a seguir.

Leia também  Keanu Reeves promete John Wick: o capítulo 4 ainda terá ação-incluindo uma enorme sequência de 'car-fu'

25. Conheça o Giro na Vida Depois da Morte (Defendendo a sua Vida)

Meryl Streep come esparguete com uma massa pendurada na boca em Defending Your Life

(Crédito da imagem: Warner Bros.)

Em Defending Your Life (Defendendo a sua Vida), uma fantasia romântica linda e divertida de Albert Brooks, os falecidos aguardam o julgamento no que pode ser melhor descrito como um agradável refúgio de férias. (Os fãs de The Good Place vão adorar este). Num clube de comédia, o protagonista de Brooks, Daniel, que morreu ao embater num autocarro, conhece uma bela mulher, Julia (Meryl Streep, claro), que morreu ao tropeçar em móveis e afogar-se numa piscina. Com a grande incógnita a pairar sobre ambos, os dois iniciam um romance turbulento, incluindo um hilariante jantar de marisco em que Meryl Streep mostra que se pode realmente brincar com a comida. Entre a direção afiada de Brooks, a escrita inteligente e o desempenho entusiástico de Streep, não pode deixar de querer o que os dois estão a comer.

24. dedos dos pés para a câmara (Adaptação)

Meryl Streep fala ao telefone com os dedos dos pés a preencher a parte inferior do enquadramento

(Crédito da imagem: Sony Pictures Releasing)

Na meta comédia-drama de Spike Jonze, Adaptação, Meryl Streep interpreta uma versão (muito) ficcionada da jornalista da vida real Susan Orlean; o filme teve origem na tentativa do argumentista Charlie Kaufman de escrever uma versão cinematográfica direta do seu livro O Ladrão de Orquídeas, mas acabou por sofrer de bloqueio de escritor e acabou por escrever um filme sobre a sua própria incapacidade de fazer o trabalho. A meio do filme, a Susan de Streep começa a sentir-se, digamos, engraçada com alguma coisa, o que Kaufman ilustra de forma divertida com os pés de Streep a mexerem-se na parte inferior do enquadramento da câmara. O resto da cena também é ótimo, com Streep a interpretar impecavelmente alguém que está a passar por algo muito, muito bom.

23. “In My Own Words, I’m Contaminated” (Silkwood)

Meryl Streep faz uma declaração antes de sair de carro no filme Silkwood

(Crédito da imagem: 20th Century Studios)

Logo depois de Meryl Streep ter terminado o trabalho em A Escolha de Sofia, teve outro desempenho transformador em Silkwood, baseado num livro de não-ficção de Howard Kohn. Streep interpreta a verdadeira denunciante nuclear Karen Silkwood, que alertou para a negligência perigosa dos seus empregadores na Kerr-McGee e cuja morte em 1974, num acidente de viação, alimentou teorias da conspiração. A meio do filme, a Karen de Streep descobre níveis perigosamente elevados de radiação na sua casa, o que obriga a uma evacuação e à entrega dos seus pertences pessoais – incluindo as fotografias dos seus filhos. Os pedidos de ajuda de Streep são palpáveis através do ecrã, e as suas palavras sinistras de “estou a morrer” enquanto conduz grávida de um destino sombrio.

22. um gabinete de “cobardia” (A Dama de Ferro)

Meryl Streep, na pele de Margaret Thatcher, assiste a uma fatídica reunião de gabinete no filme A Dama de Ferro

(Crédito da imagem: The Weinstein Company)

Meryl Streep nasceu e cresceu americana. Mas para o filme biográfico de 2011, A Dama de Ferro, Streep transformou-se assustadoramente na Primeira-Ministra Margaret Thatcher, a estadista cuja política intransigente caracterizou e polarizou a Grã-Bretanha durante os anos 70 e 80. Em colaboração com a realizadora de Mamma Mia!, Phyllida Lloyd, Streep é mais arrepiante durante uma reunião caótica de 1990, em que uma Thatcher ensandecida repreende a sua equipa e envergonha Sir Geoffrey Howe (Anthony Head), o membro mais antigo do seu gabinete. Enquanto A Dama de Ferro tenta, de forma desconcertante, criar simpatia pelo diabo – a cena termina com Thatcher, sozinha, a olhar para as suas mãos trémulas – Streep é, sem dúvida, quem detém todo o poder na sala. Pelo seu desempenho, Streep ganhou o seu terceiro Óscar.

21. Flores (As Pontes de Madison County)

Clint Eastwood oferece flores a Meryl Streep durante um passeio solarengo num campo em As Pontes de Madison County

(Crédito da imagem: Warner Bros.)

Neste drama romântico de 1995 de Clint Eastwood, Meryl Streep interpreta Francesca Johnson, uma mulher do Iowa com um casamento sem amor que começa um caso com um fotógrafo da National Geographic, Robert (Eastwood). Embora o filme trate da infidelidade, defende que alguma excitação pode ajudar a inspirar a emoção de estar vivo. Numa cena memorável, Robert tenta cortejar Francesca com flores que apanhou na rua, mas Francesca diz-lhe em tom de brincadeira que são venenosas. Não são, mas ela está a divertir-se a apaixonar-se na mesma.

20. “As Hot as a Stiff…” (Julie & Julia)

Meryl Streep, no papel de Julia Child, cozinha para seu divertimento na sua cozinha dos anos 50

(Crédito da imagem: Sony Pictures Releasing)

Sinceramente, é muito difícil escolher apenas um momento em Julie & Julia em que Meryl Streep está encantadora. Ela está encantadora em todo o filme. Mas quem de nós não conseguiu deixar de se rir quando o marido de Julia, Paul (Stanley Tucci), ao escrever uma carta ao seu irmão em 1949, descreve carinhosamente a forma como Julia se move na cozinha e como Julia descreveu vulgarmente uns canelones escaldantes como sendo “quentes como um pau…” Voltando aos dias de hoje, nem o marido de Julie Powell, Eric (Chris Messina), conseguiu acreditar no que ela disse. Nem nós! E é por isso que Julie & Julia é mais um dos melhores filmes de Streep até à data.

19. Guerra com a Argentina (A Dama de Ferro)

Meryl Streep, na pele de Margaret Thatcher, declara guerra à Argentina e avisa os EUA sobre isso em A Dama de Ferro

(Crédito da imagem: The Weinstein Company)

A Dama de Ferro é um filme complicado. É um filme em que Meryl Streep liberta toda a força dos seus poderes para se tornar numa das mais temidas antagonistas da história a participar na política nacional. Mas a sua estrutura de montagem pesada pode ser um entrave para Streep, reduzindo-a a uma figura numa série de quadros e não a uma personagem ativa numa narrativa. No entanto, a intensidade de Streep no papel de Thatcher é mais evidente quando a Primeira-Ministra decide entrar em contacto com a Argentina sobre as Malvinas, dando início à Guerra das Malvinas de 1982. A sequência culmina com Thatcher a repreender Alexander Haig (Matthew Marsh), o Secretário de Estado dos EUA no governo de Ronald Reagan.

18. “The Winner Takes It All” (Mamma Mia!)

Meryl Streep canta em frente ao mar em Mamma Mia!

(Crédito da imagem: Universal)

Em 2008, O Cavaleiro das Trevas, de Christopher Nolan, teve uma forte concorrência em… Mamma Mia! Antes de Barbenheimier, a melhor dupla improvável de verão era Batman e Meryl Streep, com Streep a encabeçar a adaptação de Phyllida Lloyd do musical de sucesso da Broadway com a música dos ABBA. No final do filme, Streep canta uma interpretação comovente de “The Winner Takes It All”, dirigida a Sam (Pierce Brosnan), enquanto ela pensa em voltar a juntar-se a ele, mesmo depois de ele lhe ter partido o coração há tantos anos.

17. “I’m Leaving You” (Kramer vs. Kramer)

Meryl Streep, vestindo uma camisa branca como Johanna Kramer, anuncia que está a deixar o seu marido

(Crédito da imagem: Columbia Pictures)

Meryl Streep alcançou a fama com Kramer vs. Kramer, um drama jurídico de 1979 sobre o amargo divórcio de um casal e a subsequente luta para juntar os cacos. No início do filme, a personagem de Streep, Joanna Kramer, dá abruptamente a notícia de que se vai embora ao seu (antigo) marido, Ted (Dustin Hoffman), para choque e perplexidade deste. Não há fogos de artifício de emoção ou suspense nesta cena. Apenas sentimentos crus e magoados que ressoam com rara autenticidade.

Leia também  Jeremy Renner compartilha a atualização de saúde após acidente de arado de neve

16. Jantar e um Caso (It’s Complicated)

Meryl Streep numa banheira fala com o marido, sentado fora dela na casa de banho, em It's Complicated

(Crédito da imagem: Universal)

Na comédia romântica descontraída de 2009 It’s Complicated, Meryl Streep interpreta Jane, a santa padroeira de todas as relações complicadas, como uma mulher divorciada que reacende as coisas com o seu ex-marido Jake (Alec Baldwin) enquanto se apaixona por Adam (Steve Martin), um arquiteto. Durante uns relaxantes 10 minutos a meio do filme, Jane entretém Adam com uma refeição caseira acolhedora – e insiste que não há mais ninguém na sua vida – enquanto Jake se esconde comicamente nos arbustos (com uma excelente visão de Jane por trás). Sendo a atriz poderosa que é, a química de Streep com ambos os actores é extraordinária, permitindo que o filme faça jus ao seu título de forma enérgica. Quem é que Jane vai escolher? A sua decisão é, bem, complicada.

15 – Eles odeiam-nos (Julie & Julia)

Julia Child, interpretada por Meryl Streep, senta-se num sofá com o seu marido, interpretado por Stanley Tucci

(Crédito da imagem: Sony Pictures Releasing)

No final de Julie & Julia, a Julie Powell de Amy Adams fica devastada ao saber que Julia Child, que soube do projeto do blogue de Julie, não é uma fã. Enquanto a câmara se detém em Julie com lágrimas nos olhos, o filme regressa à Julia de Streep, que sente uma desilusão esmagadora com a rejeição do seu livro de receitas por parte de uma editora. “Oito anos das nossas vidas acabaram por ser apenas uma coisa para eu fazer”, lamenta Julia, fazendo eco das dificuldades de qualquer pessoa envolvida numa área criativa. Mesmo que Julie e Julia não se entendam, elas têm muito mais em comum do que poderiam imaginar.

14. “I Will Do What Needs to Be Done” (Dúvida)

Meryl Streep, no papel de uma freira católica, segura um crucifixo na cara de um padre

(Crédito da imagem: Miramax)

Doubt, um drama de época de 2008 passado numa escola católica do Bronx, é protagonizado por Meryl Streep, que se confronta (pelo menos em termos de representação) com o falecido e grande Philip Seymour Hoffman. Um drama fascinante sobre poder, corrupção e fé, Streep interpreta a excessivamente rígida Irmã Aloysius, que suspeita que o carismático padre Flynn (Hoffman) está a cometer algo perturbador. No final do filme, Aloysius e Flynn discutem no escritório de Aloysius. Enquanto uma trovoada assola o exterior, o seu confronto é igualmente estrondoso, pois Aloysius deixa claro que fará tudo o que for preciso para deter Flynn, embora saiba que é impotente para o deter para sempre.

13. “Standing in the Rain” (As Pontes de Madison County)

Meryl Streep senta-se no banco do passageiro de um carro durante uma tempestade em The Bridges of Madison County

(Crédito da imagem: Warner Bros.)

Antes de Ryan Gosling e Amy Adams partirem corações em The Notebook, Meryl Streep e Clint Eastwood foram os amantes mais trágicos do cinema em The Bridges of Madison County. Perto do final do filme, quando lhes é dada a última oportunidade de estarem juntos, as personagens de Streep e Eastwood decidem, dolorosa mas silenciosamente, seguir caminhos diferentes. O aperto de mão de Streep no puxador da porta do carro do marido diz tudo o que também sentimos quando deixamos passar a única coisa que queremos.

12. “Were You a Failure?” (Kramer vs. Kramer)

Meryl Streep chora no tribunal no final de Kramer vs. Kramer

(Crédito da imagem: Columbia Pictures)

Perto do final de Kramer vs. Kramer, Meryl Streep prova porque é que é digna de um Óscar numa troca silenciosa mas devastadora. No tribunal, o advogado presunçoso do seu ex-marido (interpretado por Howard Duff) pergunta-lhe se se considera um “fracasso” na “relação mais importante” da sua vida. Enquanto os convidativos olhos cor de avelã de Streep se enchem de lágrimas, ela olha para Ted (Dustin Hoffman), que lhe garante de longe que ela não foi um fracasso. Mas Joanna Kramer, propensa a castigar-se a si própria, responde afirmativamente. Enquanto a antiga Sra. Kramer pode pensar em si própria de forma tão baixa, ninguém no seu perfeito juízo pode pensar o mesmo de Meryl Streep nesta exibição de cortar o coração do seu talento.

11) Contratar a rapariga inteligente e gorda (O Diabo Veste Prada)

Meryl Streep repreende Anne Hathaway no seu escritório em Nova Iorque em O Diabo Veste Prada

(Crédito da imagem: 20th Century Studios)

No clássico dramático milenar O Diabo Veste Prada, Meryl Streep deslumbra como Miranda Priestly, uma editora de revista sinistra que reina no submundo da moda. Anne Hathaway protagoniza o filme no papel de Andy, uma aspirante a jornalista com princípios que tenta entrar no mundo da edição. No início do filme, Streep desnuda friamente Andy (psicologicamente falando) com um elogio indireto, dizendo que ela escolheu mal ao contratar a “rapariga inteligente e gorda.” (Corta para Anne Hathaway, com um ar cruelmente derrotado.) Não se concentre aqui no terrível body shaming, mas na manipulação egoísta de Miranda para moldar as pessoas à sua volta à sua imagem – para o melhor e para o pior.

10. “I Have Doubts” (Dúvida)

Meryl Streep, no papel de uma freira católica, chora debaixo de uma árvore em Doubt

(Crédito da imagem: Miramax)

Normalmente é piroso quando as personagens verbalizam o título do filme. Mas Meryl Streep não é normal. No papel da Irmã Aloysius, Streep sai com o filme no bolso ao proferir um monólogo final que resume o conflito central do filme: Qual é o custo de fazer a coisa certa? Aqui há pequenos spoilers, mas a Irmã Aloysius revela à Irmã James (Amy Adams) os seus próprios erros para expulsar o Padre Flynn da sua paróquia. A Irmã Aloysius insiste que tem a certeza de tudo – até certo ponto. No final, porém, ainda tem dúvidas.

9. champô à beira do rio (Out of Africa)

Meryl Streep lava o cabelo em Out of Africa

(Crédito da imagem: Universal)

Meryl Streep simplesmente nunca esteve tão bonita – ou mais limpa! – do que numa lavagem carinhosa do seu cabelo feita por Robert Redford (no papel do caçador Denys) em Out of Africa. Enquanto Redford passa os dedos pelo cabelo de Streep, recita as palavras de “The Rime of the Ancient Mariner” de Samuel Taylor Coleridge em frente a um rio panorâmico. Sydney Pollack fixa a sua câmara em grandes planos tanto em Redford como em Streep, evocando sentimentos de profunda intimidade num lugar muito exótico. Eles estão apaixonados, e nós também. (Além disso, quem não gostaria que Robert Redford lhe lavasse o cabelo numa selva exótica?)

8. uma tarte na cara de Jack Nicholson (azia)

Meryl Streep enfia uma tarte na cara de Jack Nicholson em Heartburn

(Crédito da imagem: Universal)

No final de Heartburn, Meryl Streep está farta. Sabendo que o seu segundo marido a traiu mais uma vez, a personagem de Streep, Rachel, faz um monólogo eloquente mas desapaixonado sobre o amor desvanecido enquanto janta com amigos. Enquanto Rachel prepara cuidadosamente uma tarte caseira de lima, pontua o final do seu discurso declarando que cada um tem uma escolha – “Pode ficar com ela, o que é insuportável, ou pode ir sonhar com outro sonho” – antes de enfiar a tarte na cara do seu marido namoradeiro. Enquanto o resto da mesa está em silêncio, Rachel pede-lhe friamente as chaves do carro.

Leia também  Emma Corrin da coroa se junta ao elenco de Nosferatu 'Robert Eggers'

7. “You’re Talking About My Baby Daughter” (Um Grito no Escuro)

Meryl Streep, com cabelo preto curto, senta-se no tribunal no filme A Cry in the Dark

(Crédito da imagem: Warner Bros.)

Neste drama de tribunal de 1988 produzido na Austrália – e baseado num livro de não-ficção de 1985 – Meryl Streep é a protagonista de Lindy Chamberlain, que durante anos foi considerada pelo público australiano como tendo assassinado a sua filha Azaria, de nove semanas. No final do filme, Lindy está grávida de sete meses quando aparece a depor no julgamento. Embora a sua atitude estoica não granjeie a simpatia do júri (spoilers: ela é considerada culpada e condenada a prisão perpétua), a cena é encerrada com Streep a lembrar friamente a todos que estão a falar do seu bebé, “não de um objeto qualquer”. A Cry in the Dark valeu a Streep outra nomeação para o Óscar de Melhor Atriz.

6) Mãe Vice-Presidente (The Manchurian Candidate)

Meryl Streep faz um discurso num gabinete político em The Manchurian Candidate (O Candidato da Manchúria)

(Crédito da imagem: Paramount)

O remake moderno de Jonathan Demme de The Manchurian Candidate, lançado no clima quente da América pós-11 de setembro, tem Meryl Streep no papel de uma senadora da Virgínia febrilmente determinada a fazer com que o seu filho, um veterano do exército americano e congressista (Liev Schreiber), se torne vice-presidente dos Estados Unidos. Logo no início do filme, a Senadora Shaw de Streep faz um discurso emocionante à porta fechada que soa como se a Lei Patriota tivesse ganho vida para vestir um fato de poder e pérolas. Na sua crítica para o San Francisco Chronicle, o crítico de cinema Mick LaSalle observou que Streep “tem o cabelo de Hillary e a energia de cão de ataque de Karen Hughes” e descreveu-a como “uma mãe louca e um mestre político num só, uma mulher que dispara a tantos níveis que ninguém consegue acompanhar”.

5) A verdade dita à mesa (August: Osage County)

Meryl Streep, com o cabelo preto e desgrenhado, senta-se à mesa de jantar da sua família em August: Osage County

(Crédito da imagem: The Weinstein Company)

Meryl Streep interpretou algumas das melhores e mais carinhosas mães de sempre do cinema. Também já interpretou as piores. Na adaptação cinematográfica de John Wells de 2013 da peça vencedora do Pulitzer de Tracy Letts, Streep interpreta Violet Weston, a matriarca narcisista, viciada em drogas e doente de cancro de uma família de Oklahoma. Numa cena crucial do jantar, Violet descarrega a bagagem da família à frente de toda a gente, repreendendo cada uma das suas filhas adultas por serem fardos e fracassos aos seus olhos. Apenas a igualmente formidável Julia Roberts, no papel da filha mais velha Barbara, tem força para a derrubar.

4. “Let’s Publish” (The Post)

Meryl Streep fala ao telefone em The Post

(Crédito da imagem: 20th Century Studios)

Lançado em dezembro de 2017, durante o primeiro ano de mandato de Trump, o filme de Steven Spielberg, repleto de estrelas, The Post, parecia um hino a uma imprensa livre para garantir uma democracia saudável. Um drama semi-ficcional sobre a publicação dos Papéis do Pentágono pelo Washington Post em 1971, Meryl Streep é a protagonista do filme como Katharine Graham, uma editora inexperiente que se vê entre a pressão externa – incluindo uma administração Nixon hostil – e o seu próprio sonho de manter o Post vivo. Grande parte do filme parece uma inalação gigante antes de a Graham de Streep aprovar a publicação de documentos confidenciais que pintam um quadro horrível das actividades dos Estados Unidos no Vietname. Com a sua instrução direta “Vamos lá. Vamos publicar”, dada em voz baixa pelo telefone, Streep mostra que a história não se faz com rufos de tambores. É feita apenas com palavras.

3. Mamma Meryl, Here She Goes Again (Mamma Mia!)

Meryl Streep usa um macacão de ganga em Mamma Mia!

(Crédito da imagem: Universal)

Mamma Mia! é um clássico de gerações, e Meryl Streep é uma grande razão para isso. Streep inicia o filme de forma memorável como Donna Sheridan, que se apercebe de que um dos seus três antigos amantes pode ser o pai biológico da sua filha, Sophie (interpretada por Amanda Seyfried). Embora Streep já tenha cantado em filmes antes, os millennials de uma certa idade ficaram, sem dúvida, impressionados com o poder dos tubos que Streep possuía. Mas não é apenas o canto de Streep que torna a cena icónica. Graças, em grande parte, à direção colorida da realizadora Phyllida Lord, Streep praticamente se transforma numa adolescente hiperactiva, saltando, rodando e rebolando num macacão de ganga azul-marinho. Meryl Streep tem alcance, pessoal, e Mamma Mia! mostra o seu lado divertido.

2. pequeno-almoço silencioso (The Deer Hunter)

Meryl Streep reúne-se à volta de uma mesa de bar no final de The Deer Hunter

(Crédito da imagem: Universal)

Meryl Streep tem uma grande tradição em The Deer Hunter, um drama sobre trabalhadores da indústria siderúrgica da Pensilvânia cujas vidas são viradas do avesso após a Guerra do Vietname. Antes de mais, o filme é o primeiro da longa lista de nomeações de Streep para os Óscares. Além disso, durante a sua produção, Streep mantinha uma relação com o ator John Cazale, a quem foi diagnosticado um cancro ósseo em fase terminal. Streep aceitou de bom grado o papel de Linda, que no guião era pouco mais do que uma namorada comum, para poder estar com Cazale quando o seu estado de saúde se agravasse. (Cazale morreu pouco depois das filmagens.) Como a personagem de Streep tinha pouco a fazer ou a dizer no guião, o realizador Michael Cimino sugeriu-lhe que escrevesse as suas próprias falas.

Mas mesmo sem dizer muito, Streep mostra no filme porque é que mereceu o reconhecimento da Academia. Na cena final do filme, após o funeral de um deles, as personagens principais reúnem-se no seu bar local, onde montam silenciosamente uma mesa. Todos no ecrã se movem como zombies, incapazes de dizer mais do que algumas palavras. Só quando alguém no bar cantarola “God Bless America” é que a Linda de Streep começa a cantar, com partes iguais de tristeza e derrota, obrigando todos os outros a juntarem-se a ela. Com a exploração sombria do filme sobre a futilidade que foi a Guerra do Vietname, a ironia do final de The Deer Hunter é que o único conforto que esta geração de pessoas com cicatrizes tem são elas próprias.

1. A Escolha (Sophie’s Choice)

Meryl Streep chora em Auschwitz em A Escolha de Sofia

(Crédito da imagem: Universal)

E se tivesse de tomar a pior decisão da sua vida? No drama de 1982 A Escolha de Sofia, baseado no romance de William Styron, Meryl Streep interpreta uma imigrante polaca em Brooklyn que é assombrada por algo profundo no seu passado. O filme acaba por revelar o que era: uma escolha. Num flashback da Polónia ocupada pelos alemães durante a Segunda Guerra Mundial, Sophie – com Streep a falar um alemão quase perfeito – chega com os filhos a Auschwitz quando um soldado nazi a obriga a escolher qual deles deve morrer. Quando o soldado ameaça matar os dois ao mesmo tempo, Sophie entrega a sua filha Eva (interpretada por Jennifer Lawn). A Sophie de Streep solta um grito silencioso e choroso enquanto o seu bebé grita pela vida fora da câmara, criando um momento assombroso que ninguém pode esquecer.

admin
Olá, o meu nome é Frenk Rodriguez. Sou um escritor experiente com uma forte capacidade de comunicar clara e eficazmente através da minha escrita. Tenho uma profunda compreensão da indústria do jogo, e mantenho-me actualizado sobre as últimas tendências e tecnologias. Sou orientado para os detalhes e capaz de analisar e avaliar com precisão os jogos, e abordei o meu trabalho com objectividade e justiça. Trago também uma perspectiva criativa e inovadora à minha escrita e análise, o que ajuda a tornar os meus guias e críticas cativantes e interessantes para os leitores. Globalmente, estas qualidades têm-me permitido tornar uma fonte de informação e de conhecimentos fiável e de confiança dentro da indústria dos jogos.