Reveja Evil Dead Regeneration, o clássico hack-and-slasher de Ash Williams

Carregue a sua espingarda, reabasteça a sua motosserra e acelere o Oldsmobile: este mês vamos dar um passeio para explorar alguns clássicos de ghoul gibbing ao estilo de Ash-Williams. Com outro jogo Evil Dead prestes a sair do papel em fevereiro, esta é uma altura tão boa como qualquer outra para rever um dos pontos mais altos das anteriores incursões de Ash nos videojogos: Evil Dead: Regeneration.

Regeneration foi desenvolvido pela Cranky Pants Games, um estúdio fundado por vários antigos empregados da EA Seattle e propriedade da THQ. Detentora da licença do jogo Evil Dead, a THQ já tinha publicado dois títulos baseados no mesmo: Evil Dead: Hail To The King, de 2000, para a PS1, Dreamcast e Windows; e Evil Dead: A Fistful Of Boomstick, de 2003, para a PS2 e Xbox. Com o objetivo de criar mais uma edição do franchise, a THQ passou o projeto para a Cranky Pants, que já tinha trabalhado nas versões GameCube dos jogos Red Faction e Summoner.

Comédia de humor

Regeneração de Evil Dead

(Crédito da imagem: THQ)

Regeneration é um jogo de ação, hack-and-slash, na terceira pessoa e para um jogador, lançado em 2005 para a PlayStation 2, Windows e Xbox. Passa-se num universo alternativo em que Ash não foi sugado para trás no tempo no final do segundo filme. Depois de uma curta sequência de introdução na familiar cabana decrépita do Dr. Knowby, Ash encontra-se fechado no asilo Sunny Meadows para criminosos insanos, tendo sido culpado pelo massacre dos seus amigos durante aquela noite infame.

Infelizmente para Ash, uma das poucas pessoas que acredita na sua história é o seu psiquiatra, Dr. Reinhard, que secretamente obteve o Necronomicon e tem estado a fazer experiências com ele para promover um plano para – que mais? – dominar o mundo. Ao libertar acidentalmente o mal do livro, Reinhard é consumido pelo seu poder e foge para um reino inferior, deixando a Ash a tarefa de deter o diabólico doutor e enviar os Deadites de volta ao inferno mais uma vez.

Subscreva a Play Magazine

JOGUE

(Crédito da imagem: Future, Focus Entertainment)

Este artigo foi publicado originalmente na Play Magazine. Para obter mais artigos, entrevistas e muito mais, entregues no seu dispositivo digital ou à sua porta, subscreva a Play Magazine.

O tom geral é de divertimento, evocando a comédia irónica dos dois últimos filmes, em vez da atmosfera de terror mais direta do primeiro filme. “No início, parecia que estávamos a ir mais na direção de ‘Evil Dead One'”, recorda o animador Doug Magruder, “mas à medida que evoluía, mudámos significativamente e olhámos para Evil Dead II como o mundo em que iríamos viver. Descobrimos que gostávamos muito da mistura de horror e humor e tentámos usar ambos onde pudemos”.

Leia também  Depois de cancelar o projeto de jogo misterioso Q, a Ubisoft supostamente move os desenvolvedores para assassinato de Creed Mirage

A ação de Evil Dead também abraça a mistura de comédia e sangue, evitando as armadilhas tradicionais do horror de sobrevivência vistas em jogos como Resident Evil, Silent Hill e até no próprio Hail To The King da THQ. Por exemplo, você controla a câmara em vez de ver as coisas a partir de perspectivas fixas, Ash não usa controlos de tanque e todas as munições são ilimitadas, colocando a ênfase na ação combinada.

“Como grande fã do franchise, do trabalho de Sam Raimi e, claro, de Bruce Campbell, queria encontrar uma forma de captar o humor negro e peculiar do franchise, ao mesmo tempo que criava uma experiência de ação atraente para os nossos jogadores”, diz Andy Beaudoin, o designer principal de Regeneration. “Depois do sucesso de Army Of Darkness, suspeitei que havia muitos fãs que associavam a ação pastelão desse filme ao franchise, em detrimento dos temas mais lentos e centrados no terror dos dois primeiros filmes. Por isso, inspirei-me em jogos de ação como Devil May Cry, pela sua jogabilidade com dois braços, e [2002] Buffy The Vampire Slayer, pelas suas excelentes animações coreografadas das personagens.”

O arsenal de Ash

Regeneração de Evil Dead

(Crédito da imagem: THQ)

Se ainda não adivinhou, o combate é o nome do jogo em Regeneration. Com alguns elementos ligeiros de resolução de puzzles à parte, a maior parte do tempo está a espancar, esquartejar ou a abrir caminho através de hordas de Deadites e criaturas menos conhecidas. O arsenal de Ash está dividido entre o equipamento que tem na mão esquerda e o que tem no coto direito, com botões separados para cada um. Para além da clássica combinação de caçadeira e serra eléctrica, Regeneration dá-lhe acesso a uma pistola de disparo rápido, uma exótica “lança-bombas” (uma espécie de híbrido de lança-lança/lança-granadas), um lança-chamas improvisado e uma arma de arpão que pode apanhar os inimigos como peixes numa linha.

Com a pistola, a caçadeira e a lança-bomba na mão esquerda de Ash e as outras na direita, pode misturar e combinar o seu equipamento para enfrentar as legiões de escuridão que o jogo lhe atira ao longo dos seus dez níveis. Nestes níveis, Ash atravessa uma variedade de locais sinistros, incluindo criptas assustadoras, minas, cidades piscatórias, florestas e até um templo dentro da dimensão sinistra dos Sinistros.

Para além do combate, a outra caraterística importante de Regeneration é Sam, um ex-sujeito de testes de Reinhard, transformado num meio-morto pelas experiências do bom doutor, que se junta a Ash na sua jornada. Felizmente – ou talvez infelizmente – para o nosso robusto herói, a conversão de Sam num morto-vivo pouco fez para atenuar a sua personalidade abrasiva. A brincadeira entre os dois é a fonte da maior parte da comédia, com Bruce Campbell a dar o seu talento como Ash e Ted Raimi (irmão do realizador Sam Raimi) a dar voz a Sam.

Leia também  Apenas Star Wars Jedi: os fãs de sobreviventes ficariam tão empolgados com o desmembramento em seu jogo

“Um ajudante foi uma ordem criativa vinda de cima, por isso decidimos encontrar uma forma de o tornar numa parte divertida e integrante do jogo, em vez de ser apenas um ajudante”, diz Beaudoin. “Dado o mundo dos mortos-vivos dos filmes, e a falsa bravata e o bufonismo um pouco agressivo de Ash, pensámos que juntá-lo a algo que ele odeia mais do que tudo – um Deadite – proporcionaria uma dinâmica de ‘filme de amigos’ que poderia levar um monte de humor.”

Sam também não é apenas um elemento narrativo. Devido à sua natureza amaldiçoada, metade Deadite, é praticamente imortal, capaz de regenerar uma nova cópia do seu corpo após a “morte”. Isto abre algumas oportunidades de resolução de puzzles, com Ash a poder atirar o seu infeliz parceiro para cima ou para dentro de qualquer coisa que bloqueie o caminho completamente livre de consequências, e até possuí-lo diretamente durante certas sequências. Sam também é útil em combate, pois Ash pode atirá-lo para cima dos inimigos para os distrair ou arrancar-lhes a cabeça, e é muitas vezes necessário para ajudar a derrotar os vários bosses do jogo.

Evil Dead Regeneration

(Crédito da imagem: THQ)

No final, Evil Dead: Regeneration é um jogo misto. Seria difícil rotulá-lo como uma obra-prima esquecida, e tem uma série de áreas que o desiludem um pouco. Por um lado, é agressivamente curto, com apenas cerca de quatro horas, e, para além de algumas partes dos bastidores, não tem qualquer conteúdo de bónus. As sequências de puzzles parecem muitas vezes mais trabalho do que quebra-cabeças, e a comédia tende a ser um pouco fraca, apesar de algumas citações apropriadas de Ash Williams. De um modo geral, é difícil evitar a sensação de que a ação momento a momento é um pouco anémica, faltando-lhe profundidade suficiente para manter os jogadores sempre presentes. Dito isto, o que existe é surpreendentemente sólido, maximizando a sensação de poder do jogador com as poucas mecânicas que possui.

É divertido ver como cada combinação de armas se comporta contra os vários monstros, e o sistema de desmembramento que dá a Regeneration a assinatura do estilo de sangue de Evil-Dead. Quando se esquarteja um Deadite como se fosse um peru de Natal, o atira para o ar e o mantém a flutuar disparando sobre os seus membros, é difícil não abrir um sorriso. O estilo artístico de desenho animado também ajuda a vender o ângulo mais cómico, Ash vem com alguns golpes finais clássicos de heróis de filme B, e os bosses fazem um bom trabalho a testar as mecânicas que o jogo lhe apresentou até àquele momento.

Leia também  Jogar Lord of the Rings: Return to Moria é como jogar Minecraft na Terra Média

Quando Regeneration está a funcionar a todo o vapor, é evidente que os criadores se divertiram imenso a trabalhar com o material de origem, e este entusiasmo compensa alguns dos seus aspectos mais monótonos. Se é um fã de Evil Dead ou quer passar umas horas a brincar com o terror, vale a pena experimentar Evil Dead: Regeneration. Quem sabe? Talvez até o ache… divertido.

Este artigo foi publicado originalmente na Play Magazine. Para obter mais artigos fantásticos, entrevistas e muito mais, subscreva a Play Magazine.

admin
Olá, o meu nome é Frenk Rodriguez. Sou um escritor experiente com uma forte capacidade de comunicar clara e eficazmente através da minha escrita. Tenho uma profunda compreensão da indústria do jogo, e mantenho-me actualizado sobre as últimas tendências e tecnologias. Sou orientado para os detalhes e capaz de analisar e avaliar com precisão os jogos, e abordei o meu trabalho com objectividade e justiça. Trago também uma perspectiva criativa e inovadora à minha escrita e análise, o que ajuda a tornar os meus guias e críticas cativantes e interessantes para os leitores. Globalmente, estas qualidades têm-me permitido tornar uma fonte de informação e de conhecimentos fiável e de confiança dentro da indústria dos jogos.