Tom Taylor fala sobre o porquê de ter chegado o momento certo para o Mundo das Feras – o primeiro grande crossover dos Titãs

Após o evento da Crise Negra na Terra Infinita, a hierarquia de poder no Universo DC mudou. Os guardiões da Terra, a Liga da Justiça, permitiram que outro grupo de heróis se tornasse o centro das atenções: os Titãs.

Considerados durante muito tempo como um campo de treino para a Liga da Justiça, os antigos Jovens Titãs assumiram agora o seu papel de principais protectores do planeta – e nem todos estão satisfeitos com isso.

Em novembro deste ano, o escritor Tom Taylor, com a ajuda do artista Ivan Reis, pega em algumas das suas sensibilidades do Elseworlds e empurra os Titãs, e especificamente o Beast Boy, para a vanguarda do DCU em Titans: Beast World.

As linhas do recente crossover Knight Terrors, bem como as próprias edições de Taylor em Titans e Suicide Squad começam a ferver à medida que os heróis são confrontados com ameaças de todos os ângulos. O Newsarama conversou com Taylor sobre o timing deste evento, o que significa para o futuro do DCU e como é conduzir uma história a esta escala.

Páginas de Titans: Beast World #1

(Crédito da imagem: DC)

Newsarama: Tom, o que fez com que esta fosse a altura certa para os Titãs terem um grande crossover? Esta é a primeira vez que eles estão a jogar neste tipo de palco…

Tom Taylor: Sim, é. É o primeiro evento dos Titãs. Há muito tempo que andamos a discutir a possibilidade de os Titãs se tornarem a principal equipa de super-heróis do universo DC.

Eu adoro fan-service. Não acho que seja uma palavra má com hífen. Acredito em dar aos fãs o que eles querem e, com a quantidade de pessoas que vêem o programa de televisão dos Titãs, que cresceram com a banda desenhada Teen Titans, seguida de Teen Titans Go, há muitas pessoas que adoram estas personagens e que nunca as viram liderar o universo DC.

Obviamente, o passo seguinte é: “Precisamos de um evento. Tom, tens alguma ideia?” Sim, sim, tenho. Vamos lá.

A DC sempre se preocupou com as suas personagens de legado e os Titãs têm sido uma grande parte disso. Há algo de especial no facto de continuarem a ser os Titãs, de não serem a nova Liga da Justiça?

Sim, com certeza. Eles sempre foram assim. A Liga da Justiça é um grupo de super-heróis que se juntam e que possivelmente se conhecem ou não. Os Titãs são um grupo de amigos que se consideram família, que estão a proteger o mundo e acho que isso é mais importante.

Sim, o Asa Nocturna poderia ter liderado uma nova Liga da Justiça, mas penso que o facto de os Titãs terem sido os primeiros a tomar o lugar da Liga da Justiça foi importante. Se pensarmos nos livros originais, é este grupo de, suponho, ajudantes que já não são ajudantes. Agora são pontapés de saída.

Leia também  The Devil That Wears My Face é como se O Exorcista se encontrasse com Face/Off, e é realmente aterrador

Páginas de Titans: Beast World #1

(Crédito da imagem: DC)

Da mesma forma, o Beast Boy está no centro de tudo isto. O que faz com que esta seja a altura certa para uma história centrada no Beast Boy?

Quando se trata de escrever grandes histórias como esta, sei que as coisas só interessam se as personagens interessarem ao leitor – e o Beast Boy interessa. É a isso que se resume. Ele é o coração dos Titãs. Por isso, se lhe tirarmos o coração ou se lhe fizermos algo muito duro neste caso, isso afecta todos os outros.

As histórias e os acontecimentos só têm importância se afectarem as pessoas. Não importa o tamanho da coisa no céu que está a chegar e que eles têm de esmurrar ou quantos artefactos mágicos têm de apanhar, a não ser que isso seja importante para as pessoas. A menos que magoe as pessoas, não importa. Por isso, quando chegou a este ponto, o Beast Boy é o tal. O Beast Boy é o único que pode salvar o mundo. Isso é integral. Não se trata apenas de dor e tudo isso. É o facto de o Rapaz-Fera ter de dar um passo em frente e fazer algo que ninguém pensou que ele fosse capaz de fazer.

A sua ação no primeiro número – transformar-se numa baleia para aumentar a capacidade do seu cérebro, de modo a poder formular e executar melhor o seu plano – é uma utilização tão inteligente dos seus poderes e não é algo que esperemos sempre ver dele.

É exatamente isso. Não se está a transformar numa cobra ou algo do género. Está a ir mais além e a desafiar as ideias que o Batman e o Sr. Fantástico têm dele. Eles são estabelecidos como as pessoas mais inteligentes na sala e Gar diz: “Na verdade, tenho uma ideia”. E Gar tem razão.

Páginas de Titãs: Mundo dos Monstros #1

(Crédito da imagem: DC)

E quanto a alguns dos outros personagens que vão estar presentes nessa história, como Amanda Waller e Doutor Ódio, como eles se encaixam nisso?

Para a Waller e para o Doutor Ódio, esta é uma história muito importante. Não apenas uma grande história por agora, mas uma grande história para tudo o que temos planeado para o DCU. Temos falado sobre a progressão da Waller e onde queremos que ela esteja, movendo essas peças pelo tabuleiro há mais de um ano, particularmente eu e o Josh Williamson, porque ele estava a fazer a Crise Negra e depois o Knight Terrors. Ele trouxe o Doutor Ódio para Knight Terrors para nos ajudar a preparar isto.

Leia também  Comemorando os 60 anos de Magneto com o escritor J.M. DeMatteis

Não posso dizer muito, mas o poder que Amanda Waller exerce é bastante assustador. Verá em Beast World #6, exatamente onde ela vai parar.

Também temos as edições da Beast World Tours, em que está a colaborar com todos os outros artistas e escritores. Pode falar-nos um pouco sobre como tem sido esse processo?

Uma das primeiras coisas que fiz, para não ter de estar presente em todos os aspectos, foi escrever uma bíblia para toda a série: estas são as regras, é assim que as transformações funcionam. Depois entregámos isso aos argumentistas. Tivemos muita sorte em conseguir, na maioria dos casos, os escritores dessas cidades. Se estivermos em Metropolis, Josh Williamson está a escrever a história. Se estivermos em Gotham, o Chip Zdarsky está a escrever a história. Isso torna as coisas muito mais fáceis. Eles já sabem onde tudo está na continuidade.

Uma das coisas mais hilariantes sobre isto é ver a diferença entre as pessoas que tratam isto como uma piada e as pessoas que tratam isto como uma oportunidade para realmente horrorizar algumas pessoas. Você tem a Harley Quinn transformada num coelho de ginástica, nem sei quem tomou essa decisão. Depois o Si Spurrier diz: “Sim, vou transformar o Godfall num Hornet.” Isso é aterrador. Eles vão deixar uma pessoa incrivelmente rápida voar e ter um ferrão. Isso é assustador. Nós só estamos a dizer: “Aqui está a caixa de areia, brinque nela.” Tem sido ótimo assistir.

Também temos a Nicole Maines a entrar e a trazer de volta a Dreamer, que também vai ter um grande papel a desempenhar ao lado da Amanda Waller. É muito emocionante fazer crescer este universo e, sobretudo, conviver com os meus amigos e dizer: “Qual é a tua ideia? Oh, fantástico”.

Páginas de Titãs: Mundo dos Monstros #1

(Crédito da imagem: DC)

Houve alguma reação dos editores a algumas das suas ideias, uma vez que este é o universo principal da DCU?

Sim, no final do dia, estou a pegar nas minhas sensibilidades de universo alternativo, nas minhas sensibilidades do Elseworlds e a trazê-las para o DCU. Estou a jogar da mesma forma, mas há poucos brinquedos que posso quebrar porque está em continuidade. Eu disse ao Chip Zdarsky que o Batman tinha de ser um lobo para o resto dos tempos. Ele fica um lobo, e lamento se isso lhe custa o emprego e a qualquer outra pessoa na empresa, mas o Batman é um lobo agora durante os próximos 20 anos. Aceite isso.

Leia também  O Corvo é uma tragédia da vida real que remonta às suas raízes na banda desenhada

Ouviu-o primeiro no Newsarama. Passando aos seus artistas, Ivan Reis faz um excelente trabalho nesta primeira edição. Como é que foi o processo de colaboração?

Ivan Reis, ele é tão bom, e é ridículo poder trabalhar com artistas deste calibre. Tem o Ivan e o Danny Mickey nas tintas e o Brad Anderson nas cores. Somos uma equipa que se juntou para Batman – One Bad Day: Ra’s Al Ghul e adorámos trabalhar uns com os outros.

Não há muitos artistas no mundo que sejam capazes de desenhar aquela escala, aquele alcance, aquele terror, mas ele conseguiu-o. E depois tivemos a sorte de ter o Lucas Meyer a ajudar-nos nisto. Ele subiu de nível da maneira mais ridícula. Temos uma equipa de arte incrível.

Páginas de Titans: Beast World #1

(Crédito da imagem: DC)

A sua história tem um tom clássico dos Titãs dos anos 80. Até o sabor deste evento tem um toque de retrocesso. É sério, mas o conceito é um pouco mais da Era de Prata. Houve um esforço consciente para ir às edições anteriores e recapturar um pouco dessa sensação?

É o tipo de coisa que, se você visse numa capa da Era de Prata, seria do tipo: “Meu Deus, o Batman é um lobo. O Alfred está sentado com uma pá de caca atrás dele”.

Sim, é pegar num conceito que é um pouco ridículo à primeira vista e depois continuar com ele. Lembre-se que pode ser ridículo e alguns escritores já o fizeram, mas também pode ser horrível e triste, e alguns escritores também o fizeram.

Este primeiro número começa com um estrondo, com o Necrostar a representar uma enorme ameaça para a Terra, mas o Doutor Ódio também aparece, o que torna o aspeto de Amanda Waller desta história ainda mais interessante.

O mistério de quem é é muito divertido e ainda ninguém adivinhou, o que estou a adorar. Tem havido muitas teorias online. Toda a gente está errada.

É uma personagem que já vimos e não uma personagem completamente nova?

Não é uma personagem nova. É alguém que as pessoas conhecem. Digo-lhe isso. Se é alguém do passado de Titan ou o quê, só terá de descobrir.

É o Wildebeest, eu sabia.

Tom Taylor: Sim.

Titans: Beast World é publicado pela DC a 28 de novembro.

Conheça os Titãs na sua encarnação anterior… Estas são as melhores histórias dos Teen Titans de todos os tempos.

admin
Olá, o meu nome é Frenk Rodriguez. Sou um escritor experiente com uma forte capacidade de comunicar clara e eficazmente através da minha escrita. Tenho uma profunda compreensão da indústria do jogo, e mantenho-me actualizado sobre as últimas tendências e tecnologias. Sou orientado para os detalhes e capaz de analisar e avaliar com precisão os jogos, e abordei o meu trabalho com objectividade e justiça. Trago também uma perspectiva criativa e inovadora à minha escrita e análise, o que ajuda a tornar os meus guias e críticas cativantes e interessantes para os leitores. Globalmente, estas qualidades têm-me permitido tornar uma fonte de informação e de conhecimentos fiável e de confiança dentro da indústria dos jogos.