Você já tentou … voltar à sua adolescência em Emily Is Away

Já se passou muito tempo desde que o Facebook parecia novo. Mas, por mais difícil que seja imaginar agora, houve um tempo em que o Facebook era o site mais emocionante que já existiu. Aqui era um lugar onde podíamos não apenas conversar com amigos, paixões e amigos, mas também ver suas vidas desenrolarem-se na parede sempre atualizada. Emily está ausente <3, the latest in Kyle Seeley’s addictive narrative series, has bottled that essence, shaken it up with a wistful story about young love, and then let it fizz away like it’s a secretive Smirnoff Ice you might have chugged at 16.

O conceito é simples. É 2008 e você está no último ano do ensino médio. Com as pessoas saindo do AIM, você começa a história se inscrevendo no “Facenook” a pedido de seu amigo Mat. Depois de alguns minutos para organizar seu perfil – as dificuldades de escrever seu primeiro status, importunar amigos para conseguir uma ou duas fotos de perfil – você começará a conversar com suas amigas Emily e Evelyn, desenvolvendo rapidamente um relacionamento com ambas. No entanto, uma escolha que você faz no início significa que você vai acabar se aproximando mais de um do que do outro, com um relacionamento se formando lentamente.

É complicado

(Crédito da imagem: Kyle Seeley)

Emily está ausente <3 is exceptional in two regards. The first is the innovative setting for this story, with Facenook a collection of such keenly observed details that it’s like you’ve been ripped straight back into your teenage bedroom. From the way you’ll naturally start to creep on your friend’s pages to see what’s going on with them to getting drawn into a protracted poke war. Creator Kyle Seeley tells me over email about he managed to create such an evocative recreation of the then-nascent social media platform: “A good amount of external research and internal introspection. I use wayback machine and old screenshots to make sure I get the look right. But I grew up on these platforms, AIM and Facebook. So nailing the “feel” of Facenook means bringing a lot of my own personal memories to life.”

É claro que essa configuração não causaria o impacto que tem se a história não fosse compatível. Mas este é o segundo golpe de mestre do jogo, capturando a mistura inebriante de sentimentos frenéticos que vêm do primeiro amor por meio de uma tela de computador. Seeley me explica como ele conseguiu evocar o passado recente por meio de sua escrita: “Eu coloco muito de mim nesses jogos – para o melhor e para o pior. Tenho lembranças de vasculhar a pesquisa de notas de uma paixão para ver se eles me mencionam. Ou ver dois amigos brigando apenas escrevendo letras nas paredes um do outro. Acho que meu trabalho pode parecer tão real porque meio que é real. Embora os eventos e personagens de minhas histórias não sejam representações 1: 1 de minha vida ou de meus amigos, eles são muito próximos. E eu acho que essas memórias pessoais ressoam muito com os outros porque, infelizmente, já fomos todos adolescentes estranhos. ”

Leia também  O desenvolvedor do Battlefield 2042 discute a personalização de armas "em tempo real"

Bate-papo limpo

(Crédito da imagem: Kyle Seeley)

Essa universalidade é a chave para a impressão de que Emily está ausente <3 makes. I might never had to ask someone to prom (*sniff*) or compare class times with friends, but I do remember the rush of staying up late on Facebook chat and MSN messenger just because I didn’t want to stop talking to a crush. It also doesn’t skimp on the pain, awkwardness, and shameful moments that wriggle into your brain when you least expect them to. In my playthrough, I started to see that Emily was sending more and more public messages to a boy named Jeff, with Mat constantly asking if I felt jealous. The level-headed answers I gave in 2021 were almost certainly not the ones I would have given in 2008.

Esses momentos são apenas intensificados pelo elenco expandido de personagens imediatos do jogo. A série tornou-se mais refinada a cada entrada, com o Facenook oferecendo a Seeley a chance de apresentar um grande grupo de pessoas para seu personagem conversar. Ele me conta sobre o desafio de escalar o elenco: “Escopo! Oh meu Deus, escopo. Cada personagem tem uma voz e um gosto únicos e isso precisa ser refletido em cada interação da qual fazem parte. Coloque em cima disso os vários caminhos de ramificação e diferentes finais, e você terá muito conteúdo. Em Emily <3 there are 5 main endings, 250+ pixel-art photos and over 90k words of dialogue!”

(Crédito da imagem: Kyle Seeley)

Esse escopo pode ser sentido por toda parte. Em parte, está na maneira como você descobre playlists de música flutuando no perfil das pessoas ou no teste de relacionamento que parece enjoativamente exato para a época, mas também está em como a história é contada. Enquanto a história de Emily 2 se concentrava em relações de malabarismo, Emily is Away <3 smartly puts the emphasis on creating a group of friends who feel like your own. By the time you reach the game’s final chapter, you’ll have seen people grow in unexpected ways, even if that doesn’t necessarily mean you’ll grow in the same direction. One conversation, where text becomes clipped and punctation suddenly appears, will be familiar to anyone who has ever tried to have a tough conversation through Facebook.

Leia também  Equipes de discórdia com o YouTube para o recurso 'Assistir juntos'

E isso faz com que Emily Is Away <3 such a nostalgic treat. It manages to find a vein of wistfulness without tipping into being overly twee, its pitch-perfect recreation of Facebook as impressive as the characters you’ll while away your time chatting to. Feeling like a teenager again is rarely a good thing, but this delight manages to capture the highs and lows in a way that highlights that technology might change, but those young feelings won’t.

Emily está ausente <3 is out now on PC.