O realizador de Godzilla x Kong: The New Empire fala das influências da era Showa e dos brinquedos dos anos 80 para a nova sequela

Adam Wingard está em polvorosa. O diretor está no Zooming de São Paulo, Brasil, onde está participando da Comic Con – ou CCXP, se preferir. Faz poucas horas que saiu o primeiro trailer de Godzilla x Kong: O Novo Império, e depois de meses e meses de segredo absoluto, foram reveladas algumas coisas superlegais, para usar o termo técnico. Mini Kong! O titã macaco-vermelho Skar King! Imagens inéditas da Terra Oca! Godzilla com um esquema de cores renovado! Kong com um braço biónico! E no plano final do trailer, Kong e Godzilla correm lado a lado para a batalha como um Batman e Robin em tamanho gigante, cobertos de pêlos e escamas.

SUBSCREVA-SE!

Capa de Godzilla x Kong para subscritores da Total Film

(Crédito da imagem: Warner Bros/Legendary/Total Film)

Este artigo foi publicado originalmente na edição 346 da Total Film. Subscreva aqui e nunca perca uma revista.

Sim!”, sorri Wingard, que desafia Kong no que diz respeito ao cabelo, com a sua barba explosivamente rebelde e espessa e grisalha em cascata pelo peito. Para mim, o ponto de partida para este filme foi aquela imagem deles a correrem juntos para a batalha. Essa foi a primeira imagem que tive do filme. É aí que queremos acabar. Era do género: “Se conseguirmos fazer algo que justifique este momento, então sabemos que o fizemos bem”.

A julgar pelo primeiro trailer, e pelas conversas da Total Film com Wingard e o seu elenco e equipa, Godzilla x Kong: The New Empire vai com certeza justificar a sua filmagem de super-heróis-monstros. A história começa um pouco abaixo da conclusão de Godzilla vs. Kong de 2021. Se você precisar de um lembrete, aquele filme titânico de um filme, também dirigido por Wingard, terminou com os dois kaiju favoritos de todos chegando a uma trégua incômoda. Claro que passaram a maior parte da história a baterem-se um no outro, mas depois juntaram forças para derrotar a monstruosa criação tecnológica de Apex, Mechagodzilla. Com a vitória duramente conquistada, veio um respeito relutante e um entendimento: Kong iria para a Terra Oca subterrânea, enquanto Godzilla voltaria para o oceano sabendo que o mundo da superfície era o seu domínio. Godzilla diz-lhe: “Está bem, desta vez deixo-te ir. Mas não te quero voltar a ver por estas bandas e, se o fizer, vai haver sarilhos”, diz Wingard com um puxão na sua poderosa barba.

Adam Wingard está em polvorosa. O diretor está no Zooming de São Paulo, Brasil, onde está participando da Comic Con – ou CCXP, se preferir. Faz poucas horas que saiu o primeiro trailer de Godzilla x Kong: O Novo Império, e depois de meses e meses de segredo absoluto, foram reveladas algumas coisas superlegais, para usar o termo técnico. Mini Kong! O titã macaco-vermelho Skar King! Imagens inéditas da Terra Oca! Godzilla com um esquema de cores renovado! Kong com um braço biónico! E no plano final do trailer, Kong e Godzilla correm lado a lado para a batalha como um Batman e Robin em tamanho gigante, cobertos de pêlos e escamas.

SUBSCREVA-SE!

(Crédito da imagem: Warner Bros/Legendary/Total Film)

Este artigo foi publicado originalmente na edição 346 da Total Film. Subscreva aqui e nunca perca uma revista.

Sim!”, sorri Wingard, que desafia Kong no que diz respeito ao cabelo, com a sua barba explosivamente rebelde e espessa e grisalha em cascata pelo peito. Para mim, o ponto de partida para este filme foi aquela imagem deles a correrem juntos para a batalha. Essa foi a primeira imagem que tive do filme. É aí que queremos acabar. Era do género: “Se conseguirmos fazer algo que justifique este momento, então sabemos que o fizemos bem”.

A julgar pelo primeiro trailer, e pelas conversas da Total Film com Wingard e o seu elenco e equipa, Godzilla x Kong: The New Empire vai com certeza justificar a sua filmagem de super-heróis-monstros. A história começa um pouco abaixo da conclusão de Godzilla vs. Kong de 2021. Se você precisar de um lembrete, aquele filme titânico de um filme, também dirigido por Wingard, terminou com os dois kaiju favoritos de todos chegando a uma trégua incômoda. Claro que passaram a maior parte da história a baterem-se um no outro, mas depois juntaram forças para derrotar a monstruosa criação tecnológica de Apex, Mechagodzilla. Com a vitória duramente conquistada, veio um respeito relutante e um entendimento: Kong iria para a Terra Oca subterrânea, enquanto Godzilla voltaria para o oceano sabendo que o mundo da superfície era o seu domínio. Godzilla diz-lhe: “Está bem, desta vez deixo-te ir. Mas não te quero voltar a ver por estas bandas e, se o fizer, vai haver sarilhos”, diz Wingard com um puxão na sua poderosa barba.

Leia também  A realizadora Nyad fala sobre o seu novo drama da Netflix, a espantosa história verídica e a passagem para as longas-metragens narrativas depois de Free Solo

Então, o que é que perturba a paz desta vez? Bem, Wingard e companhia não querem entrar em pormenores sobre o enredo, mas sabemos que à medida que Kong explora a Terra Oca num grau muito maior, descobre que afinal não é o Rei. Literalmente sentado num trono a certa altura do trailer, Skar King é maior do que Kong, mais magro e mais ágil, com o seu pelo vermelho da cor do sangue e da fúria. E parece ter um exército de primatas titânicos à sua disposição. Ele governa claramente o seu domínio através do medo – basta olhar para todos aqueles crânios espalhados pela casa – e não está disposto a aceitar que o Kong chegue à Terra Oca.

O que é que sabemos mais? Bem, veremos o regresso da cientista e linguista de Monarch, a Dra. Ilene Andrews (Rebecca Hall), da sua filha adotiva Jia (Kaylee Hottle) e do teórico da conspiração Bernie Hayes (Brian Tyree Henry), que passarão todo o seu tempo juntos, depois de terem sido divididos entre o Campo Kong e o Campo Godzilla no último filme. Há novas personagens interpretadas por Fala Chen, Alex Ferns e Rachel House, e Dan Stevens está presente na aventura como Trapper, na qualidade de co-líder.

Essencialmente, ele é um veterano”, diz Stevens, que tem procurado voltar a trabalhar com Wingard desde que fizeram juntos The Guest. Não um veterinário militar – um veterinário. Ele é um especialista nessas criaturas. O seu funcionamento interno. Se temos um titã doente, Trap é o nosso homem. É trazido para dar uma mãozinha ao nosso Kong no início do filme, e depois dá por si a acompanhar a viagem. É o tipo de pessoa que se quer numa missão como esta. Não se deixa perturbar por muito. Algumas coisas são coisas que ele já viu antes, outras são coisas que nenhum de nós jamais viu. Ele tem este maravilhoso sentido de admiração. É um homem da natureza. Sente-se realmente em sintonia com o cosmos, quer seja acima do solo ou na Terra Oca”.

OK. Rebobinar. Será que “dar uma mãozinha” ao Kong é uma referência àquele braço biónico que se vê no trailer? Wingard puxa a barba. É difícil dizer muito mais do que isso sem estragar nada, porque ele tem uma das minhas introduções favoritas de qualquer personagem que já filmei nos meus filmes. O que posso dizer é que gostaria de brincar com ele [boneco de ação] se fosse criança! E embora Apex não esteja nesta história de uma forma literal, damos a entender que Monarch absorveu muita da tecnologia Apex depois do último filme. A luva que o Kong está a usar é, de certa forma, uma insinuação de que se trata de tecnologia Apex”.

Subscrever a newsletter do GamesRadar

Godzilla x Kong: O Novo Império

Resumo semanal, histórias das comunidades que adora e muito mais

Adam Wingard está em polvorosa. O diretor está no Zooming de São Paulo, Brasil, onde está participando da Comic Con – ou CCXP, se preferir. Faz poucas horas que saiu o primeiro trailer de Godzilla x Kong: O Novo Império, e depois de meses e meses de segredo absoluto, foram reveladas algumas coisas superlegais, para usar o termo técnico. Mini Kong! O titã macaco-vermelho Skar King! Imagens inéditas da Terra Oca! Godzilla com um esquema de cores renovado! Kong com um braço biónico! E no plano final do trailer, Kong e Godzilla correm lado a lado para a batalha como um Batman e Robin em tamanho gigante, cobertos de pêlos e escamas.

Leia também  Quem são a Sociedade Serpente? O potencial Capitão América: vilões da Ordem Mundial explicou

SUBSCREVA-SE!

(Crédito da imagem: Warner Bros/Legendary/Total Film)

Este artigo foi publicado originalmente na edição 346 da Total Film. Subscreva aqui e nunca perca uma revista.

Sim!”, sorri Wingard, que desafia Kong no que diz respeito ao cabelo, com a sua barba explosivamente rebelde e espessa e grisalha em cascata pelo peito. Para mim, o ponto de partida para este filme foi aquela imagem deles a correrem juntos para a batalha. Essa foi a primeira imagem que tive do filme. É aí que queremos acabar. Era do género: “Se conseguirmos fazer algo que justifique este momento, então sabemos que o fizemos bem”.

A julgar pelo primeiro trailer, e pelas conversas da Total Film com Wingard e o seu elenco e equipa, Godzilla x Kong: The New Empire vai com certeza justificar a sua filmagem de super-heróis-monstros. A história começa um pouco abaixo da conclusão de Godzilla vs. Kong de 2021. Se você precisar de um lembrete, aquele filme titânico de um filme, também dirigido por Wingard, terminou com os dois kaiju favoritos de todos chegando a uma trégua incômoda. Claro que passaram a maior parte da história a baterem-se um no outro, mas depois juntaram forças para derrotar a monstruosa criação tecnológica de Apex, Mechagodzilla. Com a vitória duramente conquistada, veio um respeito relutante e um entendimento: Kong iria para a Terra Oca subterrânea, enquanto Godzilla voltaria para o oceano sabendo que o mundo da superfície era o seu domínio. Godzilla diz-lhe: “Está bem, desta vez deixo-te ir. Mas não te quero voltar a ver por estas bandas e, se o fizer, vai haver sarilhos”, diz Wingard com um puxão na sua poderosa barba.

Então, o que é que perturba a paz desta vez? Bem, Wingard e companhia não querem entrar em pormenores sobre o enredo, mas sabemos que à medida que Kong explora a Terra Oca num grau muito maior, descobre que afinal não é o Rei. Literalmente sentado num trono a certa altura do trailer, Skar King é maior do que Kong, mais magro e mais ágil, com o seu pelo vermelho da cor do sangue e da fúria. E parece ter um exército de primatas titânicos à sua disposição. Ele governa claramente o seu domínio através do medo – basta olhar para todos aqueles crânios espalhados pela casa – e não está disposto a aceitar que o Kong chegue à Terra Oca.

O que é que sabemos mais? Bem, veremos o regresso da cientista e linguista de Monarch, a Dra. Ilene Andrews (Rebecca Hall), da sua filha adotiva Jia (Kaylee Hottle) e do teórico da conspiração Bernie Hayes (Brian Tyree Henry), que passarão todo o seu tempo juntos, depois de terem sido divididos entre o Campo Kong e o Campo Godzilla no último filme. Há novas personagens interpretadas por Fala Chen, Alex Ferns e Rachel House, e Dan Stevens está presente na aventura como Trapper, na qualidade de co-líder.

Essencialmente, ele é um veterano”, diz Stevens, que tem procurado voltar a trabalhar com Wingard desde que fizeram juntos The Guest. Não um veterinário militar – um veterinário. Ele é um especialista nessas criaturas. O seu funcionamento interno. Se temos um titã doente, Trap é o nosso homem. É trazido para dar uma mãozinha ao nosso Kong no início do filme, e depois dá por si a acompanhar a viagem. É o tipo de pessoa que se quer numa missão como esta. Não se deixa perturbar por muito. Algumas coisas são coisas que ele já viu antes, outras são coisas que nenhum de nós jamais viu. Ele tem este maravilhoso sentido de admiração. É um homem da natureza. Sente-se realmente em sintonia com o cosmos, quer seja acima do solo ou na Terra Oca”.

OK. Rebobinar. Será que “dar uma mãozinha” ao Kong é uma referência àquele braço biónico que se vê no trailer? Wingard puxa a barba. É difícil dizer muito mais do que isso sem estragar nada, porque ele tem uma das minhas introduções favoritas de qualquer personagem que já filmei nos meus filmes. O que posso dizer é que gostaria de brincar com ele [boneco de ação] se fosse criança! E embora Apex não esteja nesta história de uma forma literal, damos a entender que Monarch absorveu muita da tecnologia Apex depois do último filme. A luva que o Kong está a usar é, de certa forma, uma insinuação de que se trata de tecnologia Apex”.

Leia também  Barbie apresenta a minha cena favorita de 2023 e capta a humanidade no seu melhor

Subscrever a newsletter do GamesRadar

Resumo semanal, histórias das comunidades que adora e muito mais

Godzilla x Kong: O Novo Império

Contactar-me com notícias e ofertas de outras marcas FutureReceber e-mails nossos em nome dos nossos parceiros ou patrocinadores de confiançaAo enviar as suas informações, concorda com os Termos e Condições e a Política de Privacidade e tem 16 anos ou mais.

Encontramos o Trapper muito próximo do Kong”, acrescenta Stevens. Por isso, para essa sequência, eles tinham um pedaço gigante do Kong…”, ri-se. Ia dizer um pedaço gigante da anatomia do Kong, mas isso soa muito mal. Eles tinham um pedaço real do Kong com o qual eu tinha de interagir. Foi um bocado selvagem”. Desta vez, a história humana está toda no mesmo sítio”, diz Hall. Gostei muito de trabalhar com Brian Tyree Henry neste filme, com quem não trabalhei da última vez. O Andrews recruta [a sua personagem] para ajudar numa coisa. E trabalhar com o Dan é um prazer para mim, uma das minhas coisas preferidas. Andámos juntos na faculdade”.

Stevens está a rir-se novamente. Éramos amigos, e depois companheiros de quarto após a universidade, por isso conhecemo-nos há muito tempo. Espero que os espectadores sintam isso. Há um pouco de história entre as nossas personagens”. Hall acena com a cabeça. É uma amizade antiga, embora seja aludido que houve possivelmente outra coisa, a dada altura. Mas agora eles estão a ter a oportunidade de trabalhar juntos. A fazer o quê, exatamente? A Total Film é a favor de proteger os pontos-chave do enredo para permitir que os espectadores descubram as surpresas espectaculares por si próprios, mas precisamos de algo. Qualquer coisa.

É uma grande aventura. Vão ter de esperar para ver”, encolhe os ombros Stevens. Não vos posso dizer muito mais”, desculpa-se Hall. Wingard, pelo menos, oferece algumas migalhas. Esta é uma experiência muito semelhante à de Hollow Earth”, diz ele. Levamos-te a todo o lado. Vemos todos os tipos de ambientes diferentes, e muitas criaturas novas – e algumas familiares. Ao mesmo tempo, ainda conseguimos deslocar-nos muito na superfície. Temos cenas no Rio e em Roma. O filme continua a ter este carácter grande e internacional. Percorremos muito terreno”.

Esquadrão Monstro

(Crédito da imagem: Legendary Pictures/Warner Bros.)

Adam Wingard está em polvorosa. O diretor está no Zooming de São Paulo, Brasil, onde está participando da Comic Con – ou CCXP, se preferir. Faz poucas horas que saiu o primeiro trailer de Godzilla x Kong: O Novo Império, e depois de meses e meses de segredo absoluto, foram reveladas algumas coisas superlegais, para usar o termo técnico. Mini Kong! O titã macaco-vermelho Skar King! Imagens inéditas da Terra Oca! Godzilla com um esquema de cores renovado! Kong com um braço biónico! E no plano final do trailer, Kong e Godzilla correm lado a lado para a batalha como um Batman e Robin em tamanho gigante, cobertos de pêlos e escamas.

SUBSCREVA-SE!

(Crédito da imagem: Warner Bros/Legendary/Total Film)

Este artigo foi publicado originalmente na edição 346 da Total Film. Subscreva aqui e nunca perca uma revista.

Sim!”, sorri Wingard, que desafia Kong no que diz respeito ao cabelo, com a sua barba explosivamente rebelde e espessa e grisalha em cascata pelo peito. Para mim, o ponto de partida para este filme foi aquela imagem deles a correrem juntos para a batalha. Essa foi a primeira imagem que tive do filme. É aí que queremos acabar. Era do género: “Se conseguirmos fazer algo que justifique este momento, então sabemos que o fizemos bem”.

admin
Olá, o meu nome é Frenk Rodriguez. Sou um escritor experiente com uma forte capacidade de comunicar clara e eficazmente através da minha escrita. Tenho uma profunda compreensão da indústria do jogo, e mantenho-me actualizado sobre as últimas tendências e tecnologias. Sou orientado para os detalhes e capaz de analisar e avaliar com precisão os jogos, e abordei o meu trabalho com objectividade e justiça. Trago também uma perspectiva criativa e inovadora à minha escrita e análise, o que ajuda a tornar os meus guias e críticas cativantes e interessantes para os leitores. Globalmente, estas qualidades têm-me permitido tornar uma fonte de informação e de conhecimentos fiável e de confiança dentro da indústria dos jogos.