Daphne Ashbrook, de Doctor Who, fala-nos do filme para televisão de 1996, do Mestre de Eric Roberts e de trabalhar com dois Senhores do Tempo

No papel da Dra. Grace Holloway no filme televisivo de Doctor Who de 1996, Daphne Ashbrook foi catapultada para um mundo que não fazia ideia que existia. Não só este programa de ficção científica britânico tinha 33 anos de história na altura, como o filme “backdoor pilot” para a Fox nos Estados Unidos tinha um enorme peso de expetativa – tendo passado sete anos desde a última produção do programa, as esperanças de uma nova série eram grandes. Nesta entrevista de arquivo inédita, Ashbrook fala das suas experiências no estúdio…

SFX: Sabia muito sobre Doctor Who antes das filmagens?

DA: Inicialmente não. Havia uma educação a decorrer no cenário. Os primeiros três dias de filmagens em Vancouver foram no apartamento de Grace. O dono da casa sabia tudo sobre Doctor Who, por isso tinha o computador ligado enquanto estávamos lá a ensaiar, tirava coisas da Internet e dizia: “Veja…” Foi aí que comecei a obter um pouco de informação. Depois, no estúdio, o Paul [McGann], o Sylv [McCoy], o Philip [Segal, produtor executivo] e o Geoffrey [Sax, realizador] começaram todos a falar-me um pouco sobre o assunto. Eu continuava a não perceber. Continuava a não perceber. Continuo a não perceber. Ainda estou tipo, ‘Ok, fixe’. Diverti-me muito, foi um grande espetáculo. Adorei o guião, a personagem e tudo. Por isso, estou bem com tudo o que continuou. Na verdade, tenho muita sorte.

A produção não lhe disse que era muito grande?

Não! Eu estava tão fora do circuito. Li o guião, fiz uma audição, tive uma chamada de retorno e depois consegui o papel e fiquei muito entusiasmada: “Oh, vou para Vancouver.” Quando descobri que o Paul entrava no filme, já conhecia o Withnail And I. Foi do tipo: “Oh, ok, isto é fixe.” Era tudo o que eu sabia quando entrei no filme. Já tinha filmado várias vezes em Vancouver, por isso fiquei entusiasmado por poder estar lá durante um mês e meio. É muito bonito. Acho que essa é parte da razão pela qual tantas pessoas vão para lá filmar, tem todas as fachadas de que precisa, praticamente. Pode fazer com que se pareça com muitos sítios. Quer dizer, raios, fizeram-no parecer São Francisco, o que não é fácil de fazer. Mas eles fizeram-no.

Não se questionou sobre o que se tratava?

Eu gostava de coisas extraterrestres, tinha feito alguns desses espectáculos. Tenho uma propensão para dar largas à imaginação. Acho que nem percebi bem quando li o livro, foi do género: “Caixa de polícia, isso é giro”, sabe? A questão da regeneração, gosto de coisas que nos fazem coçar a cabeça e pensar. Algumas pessoas disseram que talvez devessem ter começado tudo de novo, sem regeneração, mas eu adorei essa parte. Acho que é a parte mais fixe. As pessoas estavam a esforçar-se muito – eu sei que o Philip e o escritor [Matthew Jacobs] e a BBC estavam a esforçar-se muito – para honrar o programa e manter o núcleo. Por isso, presumo que foi por isso que não consideraram essa hipótese. Acho que é uma peça de puzzle muito estranha no meio destas duas coisas enormes que vivem e respiram. Há toda esta história de muitas, muitas, muitas décadas e depois há a nova. E depois há esta coisa que faz a ponte, penso eu, de alguma forma entre as duas versões.

Leia também  Como não jogadora de Fallout, adorei a série - será que está na altura de dar o salto e entrar nos terrenos baldios torturados dos jogos?

Você é um dos poucos actores que participou tanto em Doctor Who como em Star Trek…

A minha experiência no cenário de Deep Space Nine, foi um trabalho pesado. Foi um trabalho pesado, havia muito diálogo. E não lhe permitiam falhar uma sílaba, e estou a falar de uma sílaba. Também tive restrições físicas durante todo o tempo. Era suposto eu ser deficiente, por isso tinha uns aparelhos falsos à volta de mim, feitos de plástico, e tinha de usar um macacão. Por isso, para ir à casa de banho, tinha de tirar tudo e, sempre que tirava tudo e íamos para o intervalo, eles prendiam-me com fita-cola. No final do programa, eu não era mais do que fita-cola.

Daphne Ashbrook

(Crédito da imagem: Getty)

Então Doctor Who foi uma experiência mais fácil?

Doctor Who era liberdade, pá! Sim, eu estava com uma roupa confortável. Estava frio e era de noite, mas assim que me habituei a dormir não tive qualquer problema. E os sapatos… Eu estava a usar sapatos rasos. Quero dizer, isso é inédito! Normalmente, usa-se um tipo de sapato horrível e corre-se pelas ruas no escuro. Tinha um bom casaco quente que usei durante todo o tempo. A única coisa – há uma ressalva – é que o vestido, o grande vestido azul… Eu estava a sair daquela coisa e era difícil. Eles construíram-no para mim. Fizeram um belo trabalho. Mas sim, era difícil respirar naquela coisa. Também me meti na ópera por causa disso. E depois o Paul estava mesmo a gostar. Ele estava sempre a dizer: “Aqui, ouça isto…”

Sabia que havia uma hipótese de o filme ser escolhido para uma série?

Acho que sabia, sim. Na altura, sabia que eles estavam à espera que fosse uma espécie de piloto de retaguarda, o que eu já fiz muitas vezes, por isso sei o que isso significa. No entanto, não acho que eles estivessem a pensar que eu faria parte dele. Não acho mesmo. Acho que o que percebi foi que a Yee Jee [Tso, como Chang Lee] ia possivelmente ser a companheira. Na verdade, durante as filmagens, alguém da BBC veio ter comigo e disse: “Acha que poderia estar interessado se isto fosse escolhido? E eu disse-lhe: “Sim!” Pregou-lhe um susto de morte. Acho que o abracei e ele ofegou. Mas sim, eu teria adorado.

Leia também  O realizador de The Continental explica o final, os ovos de Páscoa de John Wick e faz uma provocação sobre uma potencial segunda temporada

A personagem de Grace não está envolvida em problemas legais?

Deve ser uma daquelas coisas estranhas “propriedade da Universal”. Depois ouvi dizer que o escritor é dono da personagem. Nem sequer sei se já perguntaram a esse escritor: “Importa-se de lançar esta coisa? Para podermos fazer uns audiolivros?” No fim de contas, alguém tem de estar suficientemente interessado para pegar no telefone ou no que quer que seja e resolver o assunto.

Eric Roberts teve um ótimo desempenho como o Mestre…

Ele foi em frente, meu. Foi até ao fim. Estivemos a filmar durante três semanas, acho eu, antes de ele entrar no estúdio. Portanto, já tínhamos um ritmo, estávamos todos juntos nas noites. Em qualquer período de tempo, tornamo-nos nesta pequena unidade quando o resto do mundo está a dormir. Depois, o Eric entra há três semanas e era o estranho. Deve ter sido muito divertido para ele! Ele estava com uma energia completamente diferente e também estava a fazer de mau da fita. Tudo isso, tenho a certeza, ajudou-o de uma forma estranha no que tínhamos de fazer. Por isso, sim, foi um pouco interessante. [Risos].

Também com o Sylvester, teve de trabalhar com dois Doutores…

Ele é o ser humano mais doce que já conheci. E eu estava ciente. Até o sabia na altura. Assim que me explicaram tudo, eu sabia que este homem tinha uma série e que vinha cá para dar a sua série. Observei-o antes de o conhecer, antes de o conhecer realmente, e estava mesmo à espera de qualquer coisa que dissesse “É agora” e não havia nada. Ele estava a divertir-se. Estava entusiasmado por estar ali.

Descobriu muito mais sobre a dimensão de The Movie depois de ver o documentário em DVD, muitos anos mais tarde.

Oh meu Deus, ainda bem que não sabia nada disto porque teria tido um ataque cardíaco. As montanhas que foram movidas para fazer esta coisa acontecer. Fiquei impressionado, humilde e espantado com o trabalho, sete anos de trabalho árduo e quase não, sim, não, e todas as diferentes versões das coisas e a tentar Não diga a ninguém, mas é uma peruca! A TARDIS tem uma fase gótica… …e a Grace também, já agora. Meu Deus, foi intenso e educou-me. Foi provavelmente a melhor educação que tive em relação ao que fazia, ao que estava envolvido em 96. As minhas audições não estavam lá. Eu era brilhante! É tudo o que precisa de saber. E estava fabulosa!

Leia também  O final do episódio 6 da 2ª temporada de Loki explicado: Como é que o final define o futuro do MCU?

Eric Roberts em Doctor Who (1996)

(Crédito da imagem: BBC Pictures)

As suas memórias chamam-se Dead Woman Laughing. Há alguma razão relacionada com a série Who?

Acho que é engraçado e cativante, mas, honestamente, o título surgiu porque eu estava deitada no chão do claustro e estava morta. Estavam a filmar uma coisa e eu comecei a rir-me e não consegui parar. Éramos profissionais. Rimo-nos muito, mas estávamos sempre em ação, cortamos, fomos profissionais durante a filmagem, não brincámos, o Paul e eu. E aqui estou eu a estragar a filmagem. Estou a rir e era suposto estar morto. Por isso não é bom. Passámos por muita coisa, isto foi no final das filmagens. É do tipo: “Não brinque, faça isto” e eu estou a rir. Já estive morto muitas vezes, e ri-me muitas vezes enquanto estava morto. Por isso disse qualquer coisa como: “Mulher morta a rir, oh meu Deus” e o Paul disse: “É o nome do seu livro”, e nunca mais me esqueci disso. Por isso, quando surgiu a ideia de fazer um livro, Dead Woman Laughing é perfeito, porque já morri tantas vezes!

O que é que achou do filme acabado?

A primeira vez que vi o filme foi no Directors Guild [estreia]. Avisei toda a gente à minha volta: “Talvez não consiga ficar na sala porque não vou ver o filme”. Levantei-me assim que estava prestes a matar o Sylv, saí da sala, bebi vinho e esperei que toda a gente saísse. Depois vi-o umas semanas mais tarde, sozinho, e pensei: “Oh meu Deus”, pensei que não prestava e que era horrível. Uma década depois, vi-o. E pensei: “Sabe que mais? Saí-me bem, saí-me bem”. Não me importei com isso e foi muito mais fácil ir a convenções e dizer “Fiz o que pude, a Grace até foi fixe”.

Doctor Who: The Movie está a ser transmitido agora no BBC iPlayer. Para mais informações, veja as nossas escolhas das melhores novas séries de televisão que estão a chegar.

admin
Olá, o meu nome é Frenk Rodriguez. Sou um escritor experiente com uma forte capacidade de comunicar clara e eficazmente através da minha escrita. Tenho uma profunda compreensão da indústria do jogo, e mantenho-me actualizado sobre as últimas tendências e tecnologias. Sou orientado para os detalhes e capaz de analisar e avaliar com precisão os jogos, e abordei o meu trabalho com objectividade e justiça. Trago também uma perspectiva criativa e inovadora à minha escrita e análise, o que ajuda a tornar os meus guias e críticas cativantes e interessantes para os leitores. Globalmente, estas qualidades têm-me permitido tornar uma fonte de informação e de conhecimentos fiável e de confiança dentro da indústria dos jogos.