Super Mario RPG é tão deliciosamente pateta que tenho pena de ter perdido o seu humor fora de série durante quase 30 anos

De certa forma, Super Mario RPG parece deitar fora o livro de regras da Nintendo – mesmo que comece em território familiar. A Princesa Peach está a tratar da sua vida quando Bowser aparece e a rapta. Já vi este cenário acontecer muitas vezes antes e, com Mario em perseguição, seria perdoado se pensasse que está prestes a partir para mais uma missão de salvamento, não muito diferente dos jogos de plataformas que vieram antes dele. Mas quando um novo vilão, conhecido como Exor, entra em cena – assumindo a forma de uma espada gigante – rapidamente se torna claro que está perante um tipo de aventura diferente. E isto é tudo menos familiar.

Faz todo o sentido, na verdade. Este foi o primeiro Mario RPG e, com o canalizador a passar de um jogo de plataformas para um RPG de ação, vemos novas facetas de personagens como Bowser e Peach. Jogado como uma série de mini-jogos e batalhas por turnos num mapa-mundo de locais, somos lançados num Reino dos Cogumelos cheio de NPCs engraçados, piadas atrevidas e palhaçadas. E como alguém que nunca jogou o original de 1996, não consigo esquecer como tudo isto é deliciosamente estranho.

Revezamento

Remake de Super Mario RPG

(Crédito da imagem: Nintendo)BOM NO PAPEL

Paper Mario: The Thousand Year Door

(Crédito da imagem: Nintendo)

Paper Mario The Thousand Year Door foi uma piada hilariante e negra que não esperávamos que a Nintendo voltasse a contar

Não sabia muito bem o que esperar, mas Super Mario RPG sempre foi uma parte da história de Mario que me despertou curiosidade. Lançado pela primeira vez em meados dos anos 90 para a SNES na América do Norte e no Japão, o Super Mario RPG original só chegou à Europa em 2008, com a versão para a Wii. Apesar de ter tido uma Wii e, mais tarde, uma Wii U (que também se tornou a casa da aventura clássica), o jogo passou-me completamente ao lado. Sou um grande fã de jogos de role-playing e, depois de tanto ouvir falar do seu humor pouco caraterístico e dos membros únicos do grupo, o remake marcou a oportunidade de finalmente o experimentar por mim próprio. Não posso falar sobre as melhorias que tem em relação à experiência original – leia a nossa análise de Super Mario RPG para ter uma melhor noção disso – mas, como recém-chegado, posso dizer que estou muito contente por ter finalmente conseguido ver este pedaço peculiar da história de Mario.

Leia também  Fortnite Correntes de Hades: Como obter a arma do deus

Há sem dúvida alguns paralelismos com Paper Mario. Sendo o primeiro RPG de Mario, tem uma configuração de grupo e um estilo de combate por turnos semelhantes, mas é distintamente diferente noutros aspectos. Depois de se afastar do caminho clássico de perseguir Bowser, é lançado numa aventura em que salta de área em área, completando labirintos, locais cheios de inimigos, minijogos e lutas contra chefes. Os minijogos vão desde uma corrida com o Yoshi, a um percurso em que salta por cima de barris e a uma secção de carrinhos de comboio em que tenta apanhar o máximo de moedas possível. Há tantos exemplos que o jogo se desenrola como uma série de pequenos jogos em vários locais, o que faz com que a experiência seja bastante variada.

Todo o ambiente do jogo é diferente da maioria das aventuras de Mario, com os NPCs a dizerem coisas que são verdadeiramente engraçadas. Desde um sapo a dizer que deixou uma bazuca em casa (tu o quê, agora?), a brincar com versões de personagens em forma de boneco com o memorável Gaz, há tantas interacções engraçadas, insinuações e palhaçadas que me apanharam de surpresa. É verdadeiramente o ponto alto de Super Mario RPG, e se é novo no jogo como eu, aconselho-o a falar com todos os NPC que encontrar; nunca se sabe o que podem dizer ou fazer.

No início, pode ainda estar numa missão para encontrar a Peach, mas isso não dura muito tempo. De facto, a Peach e o Bowser têm papéis diferentes, o que foi uma agradável surpresa. Agora, ao enfrentar o bando de Smithy, vai ter de reparar Star Road e acabar com o inimigo afiado, Exor. Mas não tem de o fazer sozinho. Mario depressa se junta a companheiros que têm as suas próprias motivações para se juntarem a si na sua missão. Desde a pequena nuvem Mallow até ao boneco Geno, também estou entusiasmado por Bowser e Peach se juntarem às suas fileiras.

Sim, o vilão que estou tão habituado a enfrentar e a princesa que normalmente salvo lutam ao meu lado, com os seus próprios poderes únicos. Embora Mario tenha de estar sempre no grupo, pode ter dois outros companheiros, e pode trocá-los para tirar o máximo partido das suas capacidades contra os inimigos. A Mallow é uma curandeira útil, por exemplo, enquanto o Bowser é tão resistente como seria de esperar e desfere golpes poderosos com as suas garras poderosas.

Leia também  Princess Peach Showtime dá à adorada princesa do Reino dos Cogumelos o destaque que merece

Amigo, fogo

Remake de Super Mario RPG

(Crédito da imagem: Nintendo)

“Para além dos NPCs, adoro a forma como Super Mario RPG mostra um lado diferente de personagens que antes eram bastante unidimensionais.”

Ao contrário do que acontece com Paper Mario, também pode equipar armas para dar um grande golpe. Logo à partida, o combate faz-me lembrar jogos como Dragon Quest. Especialmente porque, ao carregar num botão no momento certo para o ajudar a bloquear ou a acertar um golpe mais eficaz, o seu movimento especial Gauge é ativado. Este movimento único varia, sendo que um dá-lhe um item adicional, enquanto outro faz com que todo o grupo trabalhe em conjunto para desferir um golpe poderoso contra um inimigo. Este último faz lembrar os Pep Powers de Dragon Quest, que sempre adorei pelo sentido de trabalho de equipa e camaradagem que demonstravam.

Para além dos NPCs, adoro a forma como Super Mario RPG mostra um lado diferente de personagens que antes eram bastante unidimensionais. É claro que isto não é novidade hoje em dia, graças aos lançamentos posteriores, mas mesmo sem o contexto de quando foi lançado originalmente, gosto muito da representação de personagens como o Bowser. Como um anti-herói que está relutantemente a ajudar Mario depois de ter sido expulso por um inimigo ainda maior, Bowser está constantemente a tentar salvar a face perante o seu rival de longa data, o que proporciona alguns momentos genuinamente hilariantes. Já não é um inimigo destemido. Tem os seus próprios problemas. Da mesma forma, é divertido ver a Princesa Peach sair sorrateiramente do castelo para o ajudar a restaurar Star Road.

A versão renovada do jogo para a Switch é um lançamento bem-vindo para mim. Como um pedaço de história que sinto que tenho estado sempre a perder, estou contente por isto me ter dado a oportunidade de, finalmente, experimentar esta aventura fora do comum. Pode não rivalizar com os jogos Mario mais modernos dos últimos anos, mas fez-me rir durante todo o jogo e surpreendeu-me muito mais do que estava à espera.

Comprometa-se com os melhores RPGs que roubam tempo livre agora mesmo

admin
Olá, o meu nome é Frenk Rodriguez. Sou um escritor experiente com uma forte capacidade de comunicar clara e eficazmente através da minha escrita. Tenho uma profunda compreensão da indústria do jogo, e mantenho-me actualizado sobre as últimas tendências e tecnologias. Sou orientado para os detalhes e capaz de analisar e avaliar com precisão os jogos, e abordei o meu trabalho com objectividade e justiça. Trago também uma perspectiva criativa e inovadora à minha escrita e análise, o que ajuda a tornar os meus guias e críticas cativantes e interessantes para os leitores. Globalmente, estas qualidades têm-me permitido tornar uma fonte de informação e de conhecimentos fiável e de confiança dentro da indústria dos jogos.